24 de abril de 2017
Exportações
13 de abril de 2017 - 11:05

CNA estuda tarifas dos EUA ao Brasil

Frutas, café e óleo de soja são os produtos mais afetados pelos tributos impostos pelos americanos

As escaladas tarifárias aplicadas pelos Estados Unidos a vários produtos do agronegócio brasileiro afetam a competitividade das exportações da agropecuária, de acordo com estudo da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) elaborado pela Superintendência de Relações Internacionais (SRI).

O documento, denominado “As Escaladas Tarifárias no Comércio do Agronegócio com os Estados Unidos”, mostra que as elevadas tarifas aplicadas a alguns produtos agropecuários processados reduzem a participação desse segmento no mercado norte-americano.

Uma das alternativas para conter as perdas do agronegócio, proposta pela SRI, é a celebração de acordos bilaterais de comércio entre os dois países.

“Os consumidores americanos são extremamente sensíveis a preço e a redução da tarifa de importação pode fazer com que alguns produtos cheguem ao mercado dos Estados Unidos com preços mais competitivos” afirmou Pedro Henriques Pereira, assessor técnico em Inteligência Comercial da CNA. Além disso, seria uma forma de expandir o acesso de produtos de maior valor agregado do agronegócio brasileiro ao mercado dos EUA.

Ainda de acordo com o estudo da CNA, em consequência das escaladas tarifárias, o produtor nacional concentra grande parte de seus esforços na exportação de insumos, ao invés de desenvolver ou priorizar diferentes elos da cadeia de produção do agronegócio.

Algumas frutas, especialmente limas e limões, o café industrializado e o óleo de soja bruto ou refinado, são alguns dos produtos prejudicados pelas escaladas tarifárias aplicadas ao Brasil pelos EUA.

No entanto, é importante mencionar que as altas tarifas aplicadas no comércio exterior não são o único fator afetando a competitividade das exportações brasileiras. Problemas internos de infraestrutura e logística dificultam o escoamento e encarecem as exportações do país, diminuindo as margens de lucro dos produtores e processadores de bens agropecuários.

Fonte: CNA

Comentário

Newsletter DBO