25 de setembro de 2017
PIB
4 de setembro de 2017 - 11:23

"PIB mostra força da agropecuária"

Segundo presidente da Aprosoja-MT, custos representam desafio para resultado do setor no ano que vem

O crescimento de 14,9% do Produto Interno Bruto (PIB) agropecuário no segundo trimestre de 2017 ante igual trimestre do ano passado mostra que o setor continua dando forte contribuição para a economia brasileira, disse o presidente da Associação dos Produtores de Soja e Milho de Estado de Mato Grosso (Aprosoja-MT), Endrigo Dalcin. "Mais uma vez a agropecuária está mostrando a sua força. O setor tem segurado a economia do Brasil nas últimas crises e não foi diferente desta vez." A alta de 0,3% no PIB brasileiro do segundo trimestre ante igual período de 2016 foi a primeira variação positiva após 12 trimestres de queda.

Ainda assim, Dalcin cobrou mais atenção do governo à estrutura de escoamento da grande produção que agricultores brasileiros estão colhendo e comercializando. "O resultado foi apoiado por grandes safras de soja e milho. Mas a gente precisa do olhar do governo para o nosso setor. Precisamos avançar em termos de logística e infraestrutura."

Dalcin ressaltou que os custos representam um desafio para o produtor neste momento em que ele se prepara para plantar a safra de verão 2017/18. "Tivemos grandes safras, mas o custo tem subido muito; está encostando na produtividade. Produtor está trabalhando no limite." Para ele, isso pode enfraquecer a contribuição da agropecuária no PIB no ano que vem. "Com essas grandes safras, os preços das commodities caíram. Tivemos preços internos menores e, com isso, uma inflação controlada, já que os preços dos alimentos não subiram. Mas, se os preços internacionais continuarem em queda, se o câmbio voltar abaixo de R$ 3, isso pode inviabilizar algumas regiões produtoras", ponderou o presidente da Aprosoja-MT.

Ele chamou a atenção para a intenção de produtores mato-grossenses de não aumentar a área ou de usar menos tecnologia nas lavouras. "O crédito está difícil de conseguir: agências bancárias e financiadores continuam com alta exigência, ainda um reflexo da crise." Ainda assim, ele ressaltou que, com a perspectiva de um clima dentro da normalidade, sem El Niño e La Niña, produtores esperam obter uma boa safra de soja e milho em 2017/18. "Vamos ver como será o começo do plantio no dia 15 em Mato Grosso e em outros Estados conforme datas de término do vazio sanitário."

O presidente da Aprosoja-MT avaliou que o milho recém-colhido deve ajudar no resultado do PIB agropecuário no terceiro trimestre. "Para o milho há uma necessidade de exportar. A gente vê que os leilões fizeram avançar vendas, principalmente de Mato Grosso, e esse milho está sendo exportado agora e vai continuar sendo exportado em setembro e outubro. Precisamos abrir espaço em armazéns, porque a colheita de soja vai começar em janeiro."

Fonte: ESTADÃO CONTEÚDO

Comentário