18 de dezembro de 2017
Perfil
4 de dezembro de 2017 - 14:12

Nasce um líder

Um drama familiar o levou a mudar de vida, encarar a atividade leiteira como profissão e assumir papéis que não sonhava desempenhar. O resultado é que Leomar Melo Martins tornou-se um líder.

Sérgio de Oliveira

Era 22 de setembro de 2017, festa de encerramento da 1ª Feira do Produtor Rural de Santana do Itararé, PR. Famílias inteiras circulavam pelo recinto. A população da cidade foi em peso prestigiar os shows, as barracas de doces e salgados e os concursos de gado leiteiro. No palco, o presidente da feira, Leomar Melo Martins, 43 anos, agradecia emocionado os produtores que trouxeram seus animais. Sabia a dificuldade que fora promover essa primeira edição. Não queria esquecer o nome de ninguém.

Um ruído no fundo do palco o incomodou. Virou- -se e identificou alguns políticos que, depois de discursarem, haviam formado uma rodinha de conversa, alheios ao que ele dizia. Chateado, Leomar apontou o dedo na direção deles e disse: “Essa é pra vocês!” E disparou: “Talvez vocês não saibam, mas a pecuária leiteira aqui em Santana do Itararé está movimentando a economia do município. É só ver como fica o movimento no comércio da cidade no dia do pagamento do leite. É um dinheiro que fica aqui. As famílias dos sitiantes não precisam mais sair para colher frutas em outros estados para ter renda. Os produtores apresentaram nesta feira uma pecuária de qualidade, estão se esforçando, mas precisam de apoio técnico e de recursos para melhorar nossa infraestrutura, nossas estradas... Precisamos de ação em favor dos produtores!”, desabafou.

A história de Leomar pode ser dividida em antes e depois de 11 de setembro de 2001, mesma data em que, nos Estados Unidos, aviões foram arremessados contra edifícios. Até então, ele era gerente de laticínio de uma grande indústria e vivia rodando as principais bacias leiteiras do país para comprar o produto. Tinha um bom salário, carro, e sua mulher, Marisa, funcionária pública concursada, esperava um filho. Naquele dia, ela perdeu a criança. Todo o sofrimento do casal levou a uma decisão: deveriam ficar mais próximos, apoiar um ao outro, tentar reconstruir a vida e superar a perda com o que lhes restava: amor.

Leomar resolveu pedir demissão. Considerado excelente funcionário, a empresa propôs um acordo: antes de sair, ele ajudaria a organizar o setor de compras a granel e, em troca, receberia todos os benefícios contratuais. Assim foi feito. Com o dinheiro, Leomar comprou dois “sitinhos” em Santana do Itararé. Com diploma de técnico agropecuário, experiência de anos visitando propriedades leiteiras e o estímulo de produtores da região, foi natural optar pelo leite. No entanto, o dinheiro tinha acabado, não sobrara para o plantel. Mesmo assim, ele foi preparando o terreno em um dos sítios, de 3,8 alqueires (9,12 hectares). Pelo menos no sonho, o Sítio Aliança estava quase pronto para produzir.

A matéria completa está na edição de dezembro da Revista Mundo do Leite. Assinantes também podem lê-la na edição digital.

Fonte: Mundo do Leite 88

Comentário