18 de novembro de 2017
Reportagem de capa
3 de agosto de 2017 - 16:33

Planejar é preciso

A família Borssatti, de São José do Cedro, SC, constatou, na prática, que propriedade que tem os dados econômicos e zootécnicos na ponta do lápis consegue traçar estratégias com maior racionalidade e lucrar.

Fernanda Yoneya

Há cerca de três anos, a jovem família Borssatti resolveu turbinar a produção de leite em sua propriedade de São José do Cedro, Santa Catarina. Rodrigo Borssatti, de 19 anos, técnico em agropecuária, e seus pais Vilson Borssatti, 42, e Joice Isabel Bernardy Borssatti, 39, passaram a visitar outras fazendas leiteiras para colher exemplos bem-sucedidos e a buscar assistência técnica. Foi quando conheceram o engenheiro agrônomo Primo Quinaglia Neto, da Cooperativa para a Inovação e Desenvolvimento da Atividade Leiteira (Cooperideal), que presta assistência técnica a produtores de leite do oeste de Santa Catarina e do sudoeste do Paraná. Foram, então, apresentados às temidas planilhas. “Hoje, é delas que extraímos todas as nossas informações. São elas que indicam quais decisões devem ser tomadas. Muitas vezes, ganhamos dinheiro, mas não sabemos ‘onde’. Com as planilhas, sabemos exatamente o custo de produção e, consequentemente, onde estamos tendo lucro ou prejuízo”, diz Rodrigo. “Foi crucial para a mudança na administração”.

Naquela época, eles usavam uma planilha, mas não de forma “rigorosa”. Com os dados incompletos, nenhuma decisão era tomada com base nos registros. “Primeiramente, deve ser feita a planilha para saber o que se tem na propriedade. Em seguida, começa a tomada de decisões. Por exemplo, se o rebanho for numeroso, mas pouco eficiente, em termos de produtividade, descartamos animais”, diz Rodrigo. “A partir daí é possível saber onde estamos eficientes ou ineficientes e podemos definir estratégias para manter a eficiência já registrada e melhorar onde for necessário.” Na propriedade, a família analisa cada índice agronômico, zootécnico e econômico, em busca de alcançar meta traçada a cada ano.

Simples, a prática de armazenar informações da fazenda é o primeiro passo para qualquer pecuarista se programar a médio e longo prazos. É a partir do “hábito” de colocar dados de custos de produção e de índices zootécnicos que o produtor consegue se organizar e traçar metas para o futuro da propriedade e dos negócios.

A matéria completa está na edição de agosto da Revista Mundo do Leite. Assinantes também podem lê-la na edição digital.

Fonte: Mundo do Leite 86

Comentário