21 de outubro de 2017
Cooperativas
6 de outubro de 2017 - 15:20

Vale do Leite

No Vale do Paraíba, a cooperativa Serramar considera a assistência técnica o principal serviço prestado aos produtores. Segundo seu presidente, Pedro Guimarães, os associados estão investindo fortemente em tecnologias de produção.

Pedro Guimarães

Com sede em Guaratinguetá, no Vale do Paraíba, a Serramar reúne 840 cooperados, todos produtores de leite, com média de produção diária de 240 litros/produtor. Em 2016, eles foram responsáveis pelo fornecimento de 73,725 milhões de litros de leite à cooperativa.

O mais relevante serviço que a Serramar presta aos produtores, na opinião de seu presidente, Pedro Guimarães, é o acesso a mercadorias com qualidade e custo, além de assistência técnica. Ele explica que a assistência técnica aos produtores é subsidiada, através do FAT – Fundo de Assistência Técnica – , que a lei cooperativista prevê. “A gente chega a cobrir de 50% a 60% do valor cobrado pelo mercado”.

Evolução

Nos últimos dez anos, Pedro Guimarães avalia que os produtores evoluíram bastante em termos tecnológicos. “A grande maioria só tinha o tanque de expansão, e hoje praticamente 100% já têm ordenha mecânica; na época, a base de alimentação era capim e cana, com pastejo rotacionado, mas depois boa parte voltou-se para a intensificação, e hoje de 70% a 80% deles utilizam silagem de milho, e muitos estão partindo para o compost barn. A tendência é a verticalização da produção”, diz Guimarães. Ele acredita que esse movimento deve-se, sobretudo, à dificuldade de mão de obra.
 

A matéria completa está na edição de outubro da Revista Mundo do Leite. Assinantes também podem lê-la na edição digital.

Fonte: Mundo do Leite 87

Comentário