20 de novembro de 2017
Mercado futuro
10 de novembro de 2017 - 11:30

Futuro devolvendo o ágio

Mercado futuro estava "animado", mas não conseguiu sustentar os ganhos e recuou no começo de novembro

Leandro Bovo

O mercado físico de boi gordo entrou em novembro na mesma toada em que terminou outubro, ou seja, oferta bastante ajustada à fraca demanda e preços caminhando de lado. O volume de animais ofertados, em sua imensa maioria confinados, tem sido suficiente para que as indústrias sigam se abastecendo sem gerar pressão altista no mercado. Nas ocasiões em que as escalas de abate encurtam muito, pagamentos acima da referência encontram ofertas e é nesse ritmo que o mês se inicia.

O mercado futuro que estava bem mais “animado” e havia subido forte na última semana de outubro, não conseguiu sustentar os ganhos e acabou recuando, devolvendo parte do ágio, sobretudo no mês de novembro, que chegou a ser cotado próximo a R$143,00/@, mas recuou para R$140,80/@ ao meio dia do pregão de 8/11. Nos vencimentos de dez/17 e jan/18 o recuo foi um pouco menor, de aproximadamente R$1,00/@, voltando de R$145,50/@ e R$146,00/@ para R$144,50/@ e R$145,00/@, respectivamente.

É normal e esperado que o mercado futuro antecipe as movimentações do mercado físico, porém, na grande maioria das vezes o que ocorre é um exagero no movimento, ou seja, subindo demais quando a tendência é de alta, ou caindo demais quando a tendência é de baixa. Nessa situação, ou o físico acelera o movimento na direção antecipada pelo futuro, ou o futuro corrige o movimento, voltando a se aproximar do físico, que é exatamente o que está acontecendo agora.

É muito positivo quando ocorrem esses “exageros” do mercado futuro porque é justamente aí que surgem as oportunidades de se travar preços melhores, ou então, conseguir preços mínimos interessantes. Para o final de 2017 e o início de 2018, a precificação do mercado futuro ainda continua no campo do otimismo, inclusive o diferencial de preços entre novembro e dezembro e novembro e janeiro tem aumentado nos últimos dias. Nesse ambiente é comum ocorrer exageros que podem ser aproveitados por quem terá bois para a safra de 2018. Vale a pena acompanhar de perto a movimentação do mercado futuro nesse fim de ano.

Scot Consultoria

Comentário