30 de março de 2017
Cigarrinha
20 de março de 2017 - 13:44

O manejo das cigarrinhas e o desafio da sustentabilidade das pastagens em Rondônia

Com a chegada do período chuvoso, começam os ataques das cigarrinhas das pastagens

César A.D. Teixeira

Imagine não conseguir assistir televisão em paz, nem manter o chão da sua casa limpo. Imagine centenas de pequenos animais voando ao redor de todas as lâmpadas da casa. Seria incômodo, não? Agora, imagine o sustento de milhares de trabalhadores e de uma das principais atividades econômicas e sociais do estado ameaçados por esses mesmos animais. Pois é isso, exatamente, o que vem ocorrendo em escala alarmante em Rondônia – e nos estados vizinhos.

Os pequenos animais responsáveis por tantos danos são conhecidos como cigarrinhas- das-pastagens. As cigarrinhas são velhas conhecidas dos pecuaristas e dos produtores que se dedicam a cultivos como cana-de-açúcar, arroz e milho. São insetos que se alimentam sugando os colmos (tipo de caule das gramíneas) tanto durante a sua fase juvenil, quanto na fase adulta da vida, quando além de sugar, também, injetam toxinas nas plantas.

Para complicar, as cigarrinhas atuam durante a estação das chuvas, impedindo que as pastagens desenvolvam, na plenitude, seu potencial de crescimento, justo quando os rebanhos mais precisam de alimento. Entre outubro e abril, nas condições ambientais de Rondônia, as cigarrinhas podem desenvolver até cinco picos (gerações) de ataque. Mas, por que as cigarrinhas não atacam no período entre maio e setembro? A resposta está numa “peculiaridade” destes insetos.

Como sugadores, cigarrinhas precisam de plantas tenras para se alimentar. Entre maio e setembro, período praticamente sem chuvas, as plantas da pastagem apresentam seca natural, o que não significa que estão mortas, mas a rigidez dos colmos torna-as inviáveis como alimento para estes insetos e para o gado.

Para sobreviver a esta estação, as cigarrinhas desenvolveram um modo de vida em que uma parte significativa dos ovos colocados durante o período chuvoso, apresenta dormência (um tipo de hibernação durante a estação seca). São esses ovos dormentes que darão início às novas gerações das cigarrinhas na próxima estação chuvosa. Deste modo, logo após as primeiras chuvas, quando o pasto passa a rebrotar, as formas jovens (ninfas) das cigarrinhas passam a eclodir (sair dos ovos), formando o seu primeiro pico populacional.

Os danos das cigarrinhas

Com frequência, no primeiro pico de ataque os danos são menos visíveis, uma vez que a população inicial da praga tende a ser a menor da nova estação. De qualquer modo, as plantas sugadas pelas cigarrinhas secam, tomando aspecto de queimadas. Com o aumento do ataque, percebem-se touceiras com o mesmo aspecto. Se não houver sido planejada - e executada - nenhuma ação de controle (manejo) dos insetos e, se as condições ambientais se mostrarem favoráveis, sem dúvida os próximos picos da estação serão cada vez maiores e mais danosos. Havendo os surtos, com altas populações das cigarrinhas, pastagens inteiras podem se apresentar queimadas. A principal consequência desse processo é a redução da massa de capim verde, levando à diminuição da produção dos rebanhos (de leite e de carne). As perdas podem ser temporárias, com a rebrota normal do capim algum tempo depois do ataque. Porém, altas populações de cigarrinhas podem chegar a comprometer todo o planejamento, inviabilizando as pastagens para a manutenção dos rebanhos na propriedade.

O Manejo das cigarrinhas

Para evitar ou reduzir os danos às pastagens e, por consequência aos rebanhos, o pecuarista precisa conhecer as diversas alternativas de controle que - em conjunto - constituem o Manejo Integrado das Cigarrinhas. Porém, antes de considerarmos o manejo, é preciso termos clareza de que, atualmente, o Estado de Rondônia apresenta a presença destes insetos em todas as suas regiões. Por um lado, isso implica que há significativas áreas com ataque intenso da praga. Entretanto, convém frisar que é possível termos propriedades ainda sem o inseto ou, mesmo, com a presença do inseto, mas ainda sem danos econômicos às pastagens. Tão importante quanto, é estarmos cientes de que não existe uma receita simples ou algum tipo de ação única que impeça o ataque das cigarrinhas.

A ferramenta básica do Manejo Integrado é a AMOSTRAGEM periódica das áreas de pastagem, o que irá permitir conhecermos a dinâmica populacional da praga no local. A AMOSTRAGEM é feita percorrendo semanalmente (ou quinzenalmente) as pastagens, realizando, segundo metodologias apropriadas, a coleta e a contagem das cigarrinhas presentes em dado momento (para detalhes, recomenda-se consultar um Agrônomo ou Zootecnista). A partir dos resultados das amostragens, o pecuarista deverá lançar mão das alternativas de controle com maior potencial de ação sobre o inseto em sua propriedade. Acima de tudo, é preciso que o pecuarista entenda que as ações de manejo desta praga devem ser iniciadas quando, ainda, não há cigarrinhas sugando os pastos. Por isso, além de ações típicas da estação das chuvas é preciso agir, preventivamente, também, durante a estação seca.

As principais ações de manejo são:

-Diversificação das espécies usadas para pastagem;
-Utilização de espécies forrageiras resistentes;
-Uso de sementes certificadas pelo Ministério da Agricultura para garantir a sanidade dos cultivos;
-Adubação de formação e manutenção das pastagens;
- Divisão das pastagens;
-Promoção do consórcio de gramíneas com leguminosas forrageiras;
-Promoção da rotação de cultivos;
-Adoção do ILP/ILPF (Integração Lavoura Pecuária Florestas);
-Emprego do manejo rotacional do rebanho;
-Uso de formulações do fungo Metarhizium anisopliae no controle biológico da praga;
-Uso de inseticidas químicos registrados no Ministério da Agricultura;
-Manutenção de faixas de vegetação nativa entre as áreas de pastagens, para a preservação de inimigos naturais;
-Não realizar queimadas nas pastagens para a preservação de inimigos naturais.

Pensando o futuro

Frente ao recrudescimento do problema das cigarrinhas, o governo de Rondônia está promovendo um trabalho conjunto, envolvendo Secretaria de Estado da Agricultura (Seagri), Emater-RO, Idaron, Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (Mapa), Embrapa e da Associação dos Produtos Rural de Rondônia (Appro), buscando fortalecer o manejo da praga no Estado. Nas próximas semanas, serão realizados treinamentos e palestras para técnicos, extensionistas, pecuaristas, profissionais e estudantes, com objetivo de atualização no reconhecimento da praga e das ações de manejo integrado. Serão realizadas campanhas, através das diversas mídias disponíveis, para a mobilização dos pecuaristas frente ao problema. Ainda que novas cultivares de pastagens resistentes estejam chegando ao mercado, a experiência adquirida desde os anos 1970, mostra que nas condições de Rondônia, cada um dos pecuaristas precisa estar atento e atuante. Em longo prazo, o manejo das cigarrinhas, em cada uma das propriedades onde se pratica a pecuária bovina, se mostra como o único caminho seguro para a sustentabilidade de nossas pastagens.

Embrapa

Comentário

Newsletter DBO