18 de dezembro de 2017
Canchim
22 de novembro de 2017 - 11:42

Canchim divulga os vencedores da PCAD 2017

Prova teve a participação de 200 machos nascidos entre julho e novembro de 2016

A Associação Brasileira dos Criadores de Canchim (ABCCan) encerrou em 11 de novembro a 7ª Prova Canchim de Avaliação de Desempenho (PCAD), que, neste ano, reuniu cerca de 200 machos divididos em dois grupos: um de animais nascidos de julho a setembro, e outro de outubro a novembro de 2016.

A prova, supervisionada pelo Programa Geneplus/Embrapa de Melhoramento de Gado de Corte, que também é responsável pelo Programa de Melhoramento Genético da Raça Canchim, foi realizada na Ilma Agropecuária, em Angatuba, SP.

Lançada há sete anos, a PCAD busca identificar animais funcionais, segundo o médico veterinário Maury Dorta Júnior, técnico  da ABCCan e do Geneplus. Além do ganho de peso e peso final, a prova pondera padrão racial, características morfológicas, pigmentação da mucosa, comprimento do umbigo, comprimento e qualidade da pelagem, aprumos, cascos, perímetro escrotal e a carcaça (área do olho do lombo, espessura de gordura subcutânea e marmoreio).

Os animais entraram em confinamento com média de 9-10 meses e peso médio de 275,8 Kg. Saíram com 14-15 meses e 469,8 Kg, registrando ganho de peso médio diário de 1,276 Kg em 152 dias. A dieta usada é basicamente concentrado – 70% de NDT e 18% de proteína –, com quantidade aproximada de 1% do peso vivo. A nutrição foi calibrada para a média de 1,2 kg ganho por dia.

No grupo que nasceu entre julho e agosto de 2016, 13 foram classificados como elite, sete como superior plus e 14 como superiores. O animal que recebeu o troféu Ouro foi 4046 MN da Itamarati, de Luiz Carlos Dias Fernandes, Canchim Itamarati, de Três Lagoas, MS, com índice de 135,06 e ganho de peso médio diário de 1,685 Kg na PCDA.

O segundo lugar saiu para Cataro158 MN Mangalba EG, animal de Emílio Gouvêa, eleito como Prata, com índice geral de 127,19 e ganho de peso médio de 1,650 Kg. O terceiro, o troféu bronze, foi Gandhy 1152 MN da São Tomé, de Dourivan Cruvinel de Souza, com índice de 126,13 e ganho diário de 1,495 KG de peso médio diário.

Entre os animais nascidos entre setembro e novembro de 2016, cinco foram classificados como elite, outros sete como superior plus e nove como superiores. O melhor do grupo foi Xororó 3502 MN da Vista Alegre, pertencente ao criador Edson Rodrigues Bastos, de Guarapuava, PR. O animal foi Elite Ouro, com 136,90 de índice geral e ganho de peso diário de 1,396 Kg

O troféu Prata saiu para outro animal de Dourivan Cruvinel, o touro Gandhy 1270 MN da São Tomé (índice de 135,20 e ganho de 1,5 Kg/dia) e o Bronze ficou com F-12573 da Ilma Agropecuária, criatório que sediou a prova e que tem à frente Irineu Lopes Machado. O animal teve índice geral de 117,27 e registrou ganho de peso médio de 1,408 Kg/dia.

Quem levou a melhor na categoria Progênie de Pai foi Dourivan Cruvinel de Souza, dono de Dom MN da São Tomé, animal campeão da categoria. O reprodutor produziu sete filhos, tendo uma média de IQG de 110,4 e um índice de classificação de touros de 103,8.

O título de Reservado pertenceu ao touro Ocidente 1 MN da Santa Carolina, do criador João Paulo Porto. O animal teve 15 filhos, IQG de 105,4 e índice final de classificação de 103,8.

Fonte: ABCCan

Comentário