25 de setembro de 2017
Fazenda em Foco
14 de agosto de 2017 - 14:51

Manejo de pastos salvador

Agropecuária Fazenda Rosane, de Nova Bandeirantes, MT, reformula totalmente seu jeito de manejar pastos, na linha da intensificação, e consegue aumentar produtividade de 7@/ha para 38@/ha.

Ariosto Mesquita

“Levanta, sacode a poeira e dá a volta por cima.” A famosa frase no samba “Volta por cima”, do compositor Paulo Vanzolini, espelha o que aconteceu com a Agropecuária Fazenda Rosane, hoje uma referência em pecuária na região de Nova Bandeirantes, na Amazônia mato-grossense (região oeste do Estado, 1.020 km ao norte da capital, Cuiabá). Adquirida pelos atuais proprietários (família Della Rosa) há quase duas décadas, apresenta altos e baixos em sua história. Depois de desempenhos à margem de riscos nos primeiros anos, a propriedade amargou seguidos resultados negativos entre 2008 e 2012 no seu sistema extensivo de produção em ciclo completo. Seus pastos sofreram um processo progressivo de degradação e foram tomados por invasoras. Em quatro anos o estoque de gado despencou de 6.000 para 3.200 animais. A conta fechava no vermelho, na casa de meia arroba/hectare/ano.

A partir da safra 2013/2014 as coisas começaram a mudar, a começar pela eliminação da cria e a aposta em um sistema gradualmente intensivo de recria e engorda a pasto.

Mas não foi nada fácil. Os proprietários, Devanir Della Rosa e o filho Henrique, por pouco não “jogaram a toalha”. Ao persistirem, encontraram um caminho ainda hoje trilhado e em expansão. Na primeira área intensificada de 143 ha (equivalente a 5,7% dos pastos da fazenda, justamente o setor em melhor condição), a produção de carne disparou de 7@/ha (safra 2013/2014) para 38,5@/ha. Apenas esta interferência injetou combustível e ânimo, elevando a média de toda a fazenda de pouco menos de 7 @/ha/ano para 11 @/ha/ ano. O faturamento líquido mais do que dobrou, saltando de R$ 210/ha para R$ 488/ha.

A matéria completa está na edição de agosto da Revista  DBO. Assinantes também podem lê-la na edição digital.

Fonte: DBO 442

Comentário