26 de abril de 2018
Marfrig
9 de abril de 2018 - 10:21

Marfrig compra o quarto maior frigorífico dos EUA

Empresa investiu US$ 969 milhões para adquirir 51% da participação da Nacional Beef Packing e se tornar a segunda maior processadora de carne do mundo

A Marfrig Global Foods chegou a um acordo para a aquisição de 51% das ações da National Beef Packing Company, LLC, quarta maior processadora de carne bovina dos Estados Unidos. A Marfrig pagará US$ 969 milhões pela participação e, concluída a transação, passará a ser a segunda maior processadora de carne bovina do mundo, com uma plataforma global de produção e um faturamento consolidado de R$ 43 bilhões.

Embora tenha aprovação unânime do Conselho de Administração, segundo o CEO da Marfrig, Martin Secco, a companhia ainda precisa da aprovação de órgãos antitruste e também do BNDES, hoje o segundo maior acionista da empresa com 33,7% de participação, atrás apenas dos controladores (35%). A expectativa do executivo é de que o banco estatal, que tem dois assentos no colegiado, aprove a compra. Para os executivos da empresa, a reação positiva do mercado nesta segunda-feira é um fator favorável a essa possível aprovação. As ações ordinárias da empresa chegaram a subir quase 20% nesta manhã na B3.

"A aquisição da National Beef é a materialização de uma oportunidade única", diz Martín Secco, CEO da Marfrig. "Com a transação, teremos operações nos dois maiores mercados de carne bovina do mundo, chegaremos a países consumidores extremamente sofisticados e conseguimos crescer mantendo uma rigorosa disciplina financeira."

"Nossa decisão é de colocar o foco no negócio bovino", disse Secco durante coletiva com jornalistas nesta manhã em São Paulo. A norte-americana National Beef abate 12 mil cabeças de gado por dia - o que deve elevar o abate diário total da Marfrig para 35 mil cabeças - e realiza parcerias com pecuaristas locais para a aquisição de bovinos. Por ano, segundo Secco, esses criadores parceiros entregam cerca de 700 mil cabeças para a National Beef, todas provenientes de confinamentos. "O boi é mais caro do que o (do mercado) spot ou de outros acordos, mas é mais rentável. É uma associação de ganha-ganha", disse Secco. O executivo acrescentou que pretende explorar esse modelo de negócio nas operações da empresa na América do Sul, inclusive no Brasil.

Além da associação com criadores, Secco ressaltou, ainda, o acesso a importantes mercados globais importadores de carne bovina que a Marfrig deve ganhar com a National Beef, caso do Japão e Coreia do Sul, atualmente fechados para a carne brasileira. A National Beef exporta carne para 40 países. "Devemos entrar no Japão também pelo Uruguai nos próximos meses", disse, citando esperar que o mercado dos EUA à carne bovina in natura brasileira seja reaberto ainda neste semestre. O CFO da empresa, Eduardo Miron, afirmou que a Marfrig está apostando na bovinocultura em um momento de ciclo positivo - quando a oferta tende a crescer por questões de sazonalidade - tanto nos Estados Unidos e América do Sul.

National Beef - Fundada em 1992, a National Beef faturou R$ 24,3 bilhões de reais (US$ 7,3 bilhões de dólares) no ano passado e é, desde 2011, controlada pela holding de investimentos americana Leucadia National Corporation, que, à época, passou a deter 79% de participação. A empresa é sediada em Kansas City, no estado do Missouri, e possui duas unidades de processamento em Dodge City e Liberal, no Kansas, que respondem por cerca de 13% da capacidade total de abate do mercado americano.

Após a conclusão da operação, a Leucadia transferirá o controle acionário para a Marfrig e se manterá como acionista minoritário da empresa, com uma fatia de 31% do capital total. A US Premium Beef, associação de produtores americanos, ficará com 15% e outros acionistas com os 3% restantes.

Tanto a Leucadia quanto os demais investidores se comprometeram a manter suas ações da National Beef por um período mínimo de cinco anos. A transação avaliou a National Beef em US$ 2,3 bilhões de dólares, incluindo dívidas – assim, o valor pago pela Marfrig equivale a um múltiplo de transação EV/Ebitda UDM (Valor da Empresa/Ebitda Ajustado) de 4,4 vezes.

Alavancagem - A transação também ajudará a Marfrig na melhoria nos indicadores de alavancagem, que passará a consolidar em seu balanço 100% dos resultados da National Beef. No ano passado, a dívida total da Marfrig representava 4,55 vezes seu Ebitda. Com a aquisição, o indicador cai para 3,35 vezes. A transação será integralmente financiada por um empréstimo do banco Rabobank.

Outras medidas que visam à redução da alavancagem da Marfrig seguem em curso e incluem a decisão de vender a Keystone Foods. A venda da Keystone, juntamente com a transação da National Beef, deverá fazer com que a Marfrig atinja seu objetivo de alavancagem de 2,5 vezes até o fim de 2018.

Os principais executivos da National Beef permanecerão na Companhia, que segue sob a gestão de Tim Klein, atual CEO e presidente. O Conselho de Administração da National Beef será composto por nove membros, dos quais cinco serão indicados pela Marfrig, dois pela Leucadia e dois por outros acionistas minoritários.

Fonte: Marfrig e ESTADÃO CONTEÚDO

Comentário