25 de abril de 2018
Imac
13 de abril de 2018 - 10:30

Sistema de acompanhamento de abates do Imac deve ser testado em 60 dias

Projeto-piloto será realizado na planta do Marfrig em Tangará da Serra, MT

Moacir José

Dentro de 60 dias deve entrar em funcionamento o conjunto de balanças que está instalado na planta do Marfrig em Tangará da Serra e que servirá de plano piloto para a implantação do sistema de acompanhamento de abate do Instituto Mato-grossense da Carne (Imac). É o que prevê Guilherme Nolasco, presidente do instituto, que participou da abertura da primeira etapa do Circuito Intercorte, em Cuiabá, ontem, dia 12, pela manhã.

Segundo Nolasco, foram aparadas arestas que haviam surgido com relação à distribuição de recursos que serão repassados para o Instituto pelo Fesa - Fundo Emergencial de Sanidade Animal, de caráter privado. Segundo ele, ficou definido que o Imac receberá um valor fixo de R$ 1,98 por boi abatido, que hoje corresponde a 60% dos R$ 3,25 que os produtores recolhem para o Fesa quando mandam seus bois para o frigorífico. A mesma quantia - que equivale a uma UPF (unidade padrão fiscal) - será recolhida pela indústria. Até a semana passada, discutia-se um repasse baseado em percentuais, o que foi descartado.

"Agora, vamos estruturar a operação, montar um escritório, equipe, fazer reuniões com os demais envolvidos no processo", informa. A estimativa é que o Imac tenha um orçamento anual de R$ 10 milhões.

A etapa de Cuiabá da Intercorte, que continua hoje, acontece no Cenarium Rural, em auditório da Federação de Agricultura do Mato Grosso (Famato), apoiadora do evento, que é promovido pela Associação dos Criadores do Mato Grosso (Acrimat), em parceria com a Terraviva Eventos. Nesta quinta-feira, o público estimado foi de 1.700 pessoas.

Veja abaixo o depoimento do presidente do Imac para o Portal DBO:

 

Fonte: Portal DBO

Comentário