[full-banner-1170-x-134-home-geral1]

A hora certa de inseminar as fêmeas

Sérgio Saud, da Asbia, explica que o melhor horário para identificar o cio é bem cedo pela manhã ou ao final da tarde

Por Sérgio Saud* 

“Tempo é dinheiro.” Essa frase ilustra bem uma das fases importantes da inseminação artificial de bovinos: a detecção do cio das fêmeas. Em média, o tempo de duração do cio é curto, variando de 10 a 18 horas. Se o inseminador perder o timing, um novo cio só ocorrerá de 17 a 24 dias, sendo que, em média, a repetição acontece a cada 21 dias. Como vaca vazia significa prejuízo financeiro para o produtor, é importante detectar por que o cio não ocorreu. Pode ter sido por problemas reprodutivos, estresse, cistos ou infecções uterinas, má nutrição ou alguma outra doença. Mas se esse não for o caso do seu rebanho, basta ficar atento aos sintomas do cio para aproveitar o período ideal de inseminação.

O sintoma mais claro de cio é o fato de a vaca aceitar a monta do touro. Mas, além disso, existem sintomas secundários. Já no pré-cio, é possível detectar alterações físicas e de comportamento da fêmea, tais como vulva inchada e brilhante, corrimento de cor de clara de ovo na vulva e cauda erguida. Além disso, o animal fica agitado e se movimenta mais, urina e muge constantemente, procura outras fêmeas no cio para montar, perde o apetite e produz menos leite.

Como as condições do dia, dentre elas o calor excessivo, podem atrapalhar a expressão desses sintomas, o melhor horário para identificar o cio é bem cedo pela manhã ou ao final da tarde. Os mesmos sintomas verificados no pré-cio ocorrem no cio, mas a diferença é que a vaca passa a aceitar a monta do touro. Este momento deve ser anotado, pois o inseminador terá, em média, 12 horas de tempo hábil para inseminar o animal com maior sucesso. Vale lembrar que, se o cio foi identificado pela manhã, a inseminação deve ocorrer na parte da tarde do mesmo dia. E se ocorrer no final da tarde, a inseminação deve ser realizada na manhã do dia seguinte.

Outros sinais de cio são pelo da garupa desarrumado pela monta de outro animal e muco grudado na cauda e nas pernas. Para ajudar na identificação do cio, o produtor pode, ainda, utilizar rufiões (machos submetidos à cirurgia ou fêmeas androgenizadas) ou adesivos marcadores, mais usados hoje em dia. Assim, quando o touro ou outra fêmea sobe na vaca, marca as costas do animal, ajudando a perceber que ela aceitou a monta, especialmente em horários em que o inseminador não esteja presente, como em cios noturnos e cios curtos. Os rufiões devem ser incorporados ao lote de fêmeas um mês antes do início da estação de monta.

Aproveitamento do cio

Além de saber o momento de inseminar, é preciso entender quando não aproveitar determinados cios. Por exemplo, se o animal apresenta infecção uterina (o muco da vagina tem cor turva ou aparência suja em decorrência da presença de sangue ou pus). Neste caso, o médico-veterinário deve ser comunicado para definir o melhor tratamento para o animal. Cios que ocorrem antes dos 45 dias do parto também não devem ser aproveitados, pois o útero ainda não está preparado para uma nova gestação. As novilhas com baixo peso corporal, mesmo com cio identificado, não devem ser inseminadas para evitar o comprometimento de seu desenvolvimento corporal. As fêmeas gestantes que apresentam os sinais de cio também devem ser descartadas.

Além de todas as técnicas citadas acima, existem outras tecnologias disponíveis no mercado que facilitam o trabalho do inseminador nesta etapa. Mas é fundamental para o sucesso da técnica que o profissional responsável pelo procedimento esteja capacitado e comprometido com o resultado do trabalho e saiba observar bem o comportamento da vaca antes de realizar a inseminação.

Há, ainda, a possibilidade do cio induzido com hormônios, método utilizado na Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF), mas isso é assunto para um próximo artigo.

*Presidente da Associação Brasileira de Inseminação Artificial – Asbia

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on skype
Skype
Share on email
Email
Share on telegram
Telegram
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on email
Email
Share on pocket
Pocket

Veja também:

[banner-lateral-300-x-300-noticias]

Sobre o autor

Menu

[banner-link-364-x-134-home-geral1]

Sustentabilidade é isso aí…

Hélio Casale destaca os esforços do agricultor na busca pela sustentabilidade e os principais temas abordados no 3º Fórum de Agricultura Sustentável

[banner-link-364-x-134-home-geral2]

[banner-link-364-x-134-home-geral3]

Fechar Menu
×
×

Carrinho