Acordo UE-Mercosul ‘caminha lentamente’, diz embaixador Marcos Galvão

Segundo o diplomata, a partir de 2019, após a assinatura do acordo, começou-se a fazer uma revisão dos seus termos
Foto: iStock

O acordo entre a União Europeia e o Mercosul “caminha lentamente”, disse nesta quarta-feira (3/3) o embaixador brasileiro na União Europeia, Marcos Galvão, em “live” promovida pelo FGV Agro, apresentada pelo ex-ministro da Agricultura Roberto Rodrigues. Segundo o diplomata, a partir de 2019, após a assinatura do acordo, começou-se a fazer uma revisão dos seus termos. “Havia a parte de cooperação e política, que foi concluída no ano passado”, citou Galvão. “Mas há algumas coisas que ficaram pendentes.”

Entre elas, conforme o diplomata, está o fato de que a parte europeia exige claramente que o Brasil precisa reforçar seus compromissos, por meio de um documento de apoio e de esclarecimento, “com foco na área ambiental, de desmatamento e em relação ao Acordo de Paris”.

Segundo Galvão, o Brasil já sinalizou ao bloco europeu, “de todas as maneiras”, que está disposto a ter esse diálogo. “Agora aguardamos o lado europeu, os Estados-membros e a Comissão Europeia conversarem entre si e se entenderem quanto ao que nos querem propor como conteúdo desse documento que acompanharia o acordo na tramitação da ratificação.”

Para o diplomata, entretanto, esse processo, por vários motivos, tem demorado mais do que devia, primeiro em função da pandemia de covid-19, além da contração da economia europeia. “Está prevista uma queda de 6% no PIB do bloco, ou seja, mais do que o recuo do nosso PIB, anunciado hoje (ontem, quarta-feira, que foi de -4,1%)”, citou. “Esta crise econômica cria um fator adicional (para o atraso).”

Outros motivos apontados por Galvão para a lentidão nas negociações do Acordo UE-Mercosul são as eleições na Alemanha este ano, e na França, no ano que vem. “Lembrando que em ambos os países os Partidos Verdes e movimentos ambientalistas hoje têm força maior do que no ano passado, e o mesmo acontece no Parlamento Europeu”, citou o embaixador, referindo-se à pressão ambientalista como empecilho ao fechamento do acordo com o Mercosul.

Entretanto, ele assegurou que não há “nenhuma sinalização de que o acordo não vá avançar, ao mesmo tempo em que ninguém está falando em reabrir o acordo”. “Mas, sim, há uma discussão intensa em torno do que seria necessário como complemento político para a tramitação”, complementou. “Mas se está havendo demora, digo que a bola está no campo europeu neste momento; a proposta (do documento de compromisso) terá de partir deles, e não de nós.” Ele reconheceu, porém, que a questão ambiental é, de fato, um “breque no acordo”. “Não vou dourar a pílula só porque sou diplomata.”

Sobre a imagem do Brasil no exterior, e a diplomacia adotada pelo País lá fora, Galvão defendeu a volta do “soft power” brasileiro. “Somos reconhecidos e admirados por isso; devemos reforçar esta atitude”, disse.

Saiba mais:
Ataques à imagem do agronegócio brasileiro são feitos com informações falsas, diz ministro Ernesto Araújo

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

As apostas são altas para o futuro da produção de carne no Brasil. Veja o que dizem as lideranças ouvidas para o Especial Perspectivas 2021 do Anuário DBO. Assista:

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.