Menu
Menu

Agricultura e preservação ambiental podem andar juntas

Segundo estudo, é possível recuperar 12 milhões de hectares de terras e ainda liberar outros 30 milhões para produção agrícola

Pesquisadores da Plataforma Brasileira de Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos e do Instituto Internacional para Sustentabilidade divulgaram hoje, no Museu do Meio Ambiente do Jardim Botânico do Rio de Janeiro, um resumo do relatório Restauração de Paisagens e Ecossistemas que poderá ajudar nas decisões políticas sobre recuperação e uso sustentável de solos degradados no país.

O estudo mostra que é possível recuperar 12 milhões de hectares de terras, ter desmatamento ilegal zero e ainda liberar mais de 30 milhões de hectares para o aumento da produção agrícola.

+Monitoramento da Nasa mostra aumento de queimadas em RO e AM
+Acre decreta estado de emergência por incêndios nas florestas
+Bolsonaro culpa ONGs por aumento de queimadas na Amazônia

“Não é por falar em restauração que vamos perder a área produtiva. São áreas sinergéticas. Plantios próximos de florestas vão trazer mais polinizadores e maior ganho econômico. O relatório mostra que a recuperação do solo degradado é viável”, disse o coordenador do projeto, Renato Crouzeilles, professor do Programa de Pós-Graduação em Ecologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Segundo Crouzeilles, tanto o relatório como o sumário apontam caminhos que mostram que “isso é realizável e não apenas um desejo”.

O estudo foi feito por 45 pesquisadores de 25 instituições públicas e privadas e teve como base artigos científicos, relatórios técnicos e casos de sucesso comprovado. Daqui a um mês, será entregue a representantes do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMbio). O resumo, no entanto, já está disponível online.

Solo

O Brasil tem atualmente pastagens totalmente improdutivas, com menos de uma cabeça de gado em área de extensão equivalente a um estádio do Maracanã, informou o pesquisador. “Se fizermos uma intensificação da pecuária, vamos conseguir recuperar a produção nos próximos anos”, disse.

“O que a gente quer é uma paisagem diversificada. Ter agricultura, pecuária, mas também floresta em pé, restauração acontecendo. Há empregos a serem gerados, benefícios sociais, econômicos e ambientais.”

A estimativa é que essa sinergia entre meio ambiente e agricultura, com base na restauração de solos degradados, incremente a produtividade agrícola nacional em até 90%. “A projeção é extremamente positiva, uma vez que o Brasil perdeu 70 milhões de hectares de vegetação nativa nos últimos 30 anos.”

Na avaliação de Crouzeilles, é fundamental que haja a conscientização do governo sobre a sinergia entre meio ambiente e agricultura, o que pode elevar a qualidade ambiental, econômica e social do país, vitais para o enfrentamento das mudanças climáticas.

Vegetação

O estudo apresenta oito pilares considerados necessários para viabilizar a recuperação da vegetação nativa em larga escala no Brasil, identificados durante o processo de elaboração do Planaveg.

Entre eles, a sensibilização dos proprietários de terras para que a restauração ocorra, porque é preciso ter um mercado de mudas e sementes que funcione; recursos financeiros para viabilizar a restauração dos solos degradados; e governança institucional que defina qual é o papel de cada instituição no desenvolvimento da atividade.

Também deve ser feito um planejamento espacial, monitoramento da restauração, entre outras condições. “Esses pilares são as condições necessárias para que a restauração possa acontecer”, apontou Crouzeilles.

Benefícios

De todo o conjunto de benefícios que a restauração de solos pode trazer, entre os quais emprego e renda, o professor chamou a atenção dos benefícios para as espécies e serviços ecossistêmicos trazidos pelos movimentos de restauração.

“Hoje, a gente sabe como colocar a restauração no espaço, reduzindo custos; como engajar pessoas e alavancar essa restauração de forma que ela seja economicamente viável. Queremos demonstrar que a restauração é uma atividade produtiva, economicamente viável, que pode render até mais que outras atividades produtivas.”

O relatório aponta ainda que a restauração pode contribuir para que sejam atingidos os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável da ONU associados à segurança alimentar, hídrica e energética; à redução da pobreza; geração de empregos; e produção e consumo sustentáveis.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on skype
Skype
Share on email
Email
Share on telegram
Telegram
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on email
Email
Share on tumblr
Tumblr
Share on print
Print

Notícias relacionadas:

[banner-link-364-x-134-home-geral1]

[banner-link-364-x-134-home-geral2]

[banner-link-364-x-134-home-geral3]

SOBRE A MÍDIA DBO

A DBO Editores Associados, fundada em junho de 1982, sempre se caracterizou como empresa jornalística totalmente focada na agropecuária. Seu primeiro e principal título é a Revista DBO, publicação líder no segmento da pecuária de corte. O Portal DBO é uma plataforma digital com as principais notícias e conteúdo técnico dos segmentos de corte, leite, agricultura, além da cobertura dos leilões de todo o Brasil.

ANUNCIE DBO

Acompanhe aqui o vídeo da edição mais recente da Revista DBO. Para ver os destaques das outras edições, basta clicar aqui.

ASSINE A REVISTA DBO

Revista DBO Ligue grátis: 0800 110618 (Segunda a sexta, das 08h00 às 18h00)

2018 DBO - Todos os direitos reservados

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!
×
×

Carrinho