Fertilizantes: tabela de frete deve elevar preços

Segundo a INTL FCStone, preço da ureia deve subir 14% por causa do tabelamento
Foto: Metso

O reajuste do frete estabelecido pela tabela de preços mínimos criada pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) deve puxar para cima as cotações dos fertilizantes e levar produtores a concentrar compras do insumo no segundo semestre, aponta estudo divulgado nesta sexta-feira pela INTL FCStone.

Com o reajuste dos transportes – considerando ainda a tabela do dia 30 de maio, editada por meio de Medida Provisória pelo governo -, o preço da ureia deve subir 14%, para R$ 1.377/tonelada, segundo a consultoria. No caso do adubo fosfatado MAP, o reajuste será de 9%, para R$ 2.069/t. No caso do cloreto de potássio (KCl), o acréscimo será de 11%, para R$ 1.615/t, diz a INTL FCStone.

Leia mais:

+ Tabelamento do frete prejudica abastecimento de suplementação
+ Frete interrompe transporte de grãos em Mato Grosso

Isso porque, sob a Resolução nº 5.820 da ANTT, o preço mínimo a ser pago pelo transporte de fertilizantes em um caminhão bitrem com 7 eixos e capacidade de 36 toneladas entre o Porto de Paranaguá (PR) e Rondonópolis (MT) será de R$ 281,16 por tonelada, segundo o relatório. Pela série histórica elaborada pela INTL FCStone, o preço máximo registrado foi de R$ 192/t, e, antes da greve, em maio, o valor médio para o trecho era de R$ 120/t. O valor da tabela supera também o recorde de R$ 193/t cobrado para o transporte de adubos em trem entre o Porto de Santos (SP) e Rondonópolis.

A consultoria aponta também que, com a mudança em relação ao conhecido “frete de retorno”, do porto ao interior do país, determinando que a empresa detentora da carga pague pelo transporte neste trajeto, consumidores não terão razão para adiantar as compras para o primeiro semestre. Até então, eles privilegiavam esse período por pagar frete menor na movimentação dos fertilizantes para regiões produtoras aproveitando os caminhões que haviam levado a soja para os portos. “As entregas de fertilizantes devem ficar ainda mais concentradas no segundo semestre do ano”, avaliou a consultoria.

Fonte: ESTADÃO CONTEÚDO.

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.