Agronegócio reúne 70 deputados na maior frente parlamentar da Alesp

SP-Agro tem representantes de 22 dos 24 partidos - ninguém do PSL ou do PSOL entrou no grupo

Assim como ocorre em Brasília, o agronegócio conseguiu reunir na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) representantes de partidos de esquerda e direita na maior frente parlamentar criada na Casa desde o início da atual legislatura, em 15 de março. De lá pra cá, a SP-Agro, como tem sido chamada, já agrupou 70 deputados – 75% do total.

O objetivo é defender os interesses do setor que movimentou R$ 267,9 bilhões apenas no ano de 2017 em São Paulo e é visto por produtores rurais, representantes de entidades de classe e parlamentares como uma área subrepresentada no Legislativo paulista. A SP-Agro tem representantes de 22 dos 24 partidos – ninguém do PSL ou do PSOL entrou no grupo. Os assuntos definidos como prioritários foram segurança no campo, defesa sanitária, seguro rural, tributação, incentivo à inovação e valorização das instituições de pesquisa e ensino, explica o deputado Itamar Borges (MDB), líder da SP-Agro.

Continue a leitura após o anúncio

A reforma da Previdência também está no radar. “A frente vem para propor melhorias e aperfeiçoamentos nas legislações que nascerem”, diz. Hoje, há 72 projetos que trazem impactos do agronegócio na Alesp. Entre eles, um que proíbe a criação de animais em confinamento. “Se proibir, acaba com a avicultura, com a suinocultura, com a pecuária”, diz Borges.

O parlamentar destacou a atividade de diagnóstico como uma das maiores funções do grupo – tanto para identificar as necessidades do setor e propor políticas públicas quanto para monitorar e acompanhar como ele pode ser afetado por novas leis. “Temos que fazer com que as políticas públicas se encaixem de uma forma positiva, proativa e não repreensiva”.

Fórum

Mais de 30 entidades de representação de diferentes setores do agronegócio apoiam a SP-Agro. Elas trabalharão juntas no Fórum do Agronegócio Paulista. A ideia é atuar nos moldes do Instituto Pensar Agro, formado por técnicos e especialistas que produzem conhecimento para subsidiar as decisões da Frente Parlamentar da Agropecuária, um dos grupos mais poderosos do Congresso Nacional, com 225 deputados e 32 senadores.

“Temos muitos deputados urbanos e nem todos têm a noção exata do que é o setor, do tanto que ele gera de emprego e de renda. Queremos mostrar isso e ser como é a Frente Parlamentar da Agropecuária em Brasília”, diz Ariel Mendes, líder do Fórum e diretor da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), que representa mais de 140 agroindústrias de suínos e aves ao redor do Brasil.

O Fórum terá reuniões semanais conduzidas pelo corpo técnico das entidades. Os parlamentares só precisam comparecer obrigatoriamente na última reunião do mês. “A nossa ideia é que a cada 60 dias as entidades venham conversar com os parlamentares para apresentar alguma demanda”, acrescenta Itamar Borges. O objetivo é manter o colegiado aberto para ouvir os pedidos do setor, semelhante a como ocorre na FPA em Brasília.

Na avaliação de Ibiapaba Neto, diretor da Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos (CitrusBR), é importante evitar votações ideológicas que podem prejudicar o setor. “As discussões devem ser técnicas acima de tudo. Essa frente traz mais qualificação para os debates”, diz ele, que representa a terceira atividade mais importante do agronegócio paulista, atrás da cana-de-açúcar e da produção de carne bovina.

O ex-deputado federal Evandro Gussi, que hoje preside a União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica) e integrou a FPA, diz que, em um Estado urbanizado como São Paulo, é importante fornecer informações sólidas aos parlamentares sobre agropecuária. “Esse tipo de iniciativa, nos Estados Unidos e em outros países, é um processo complementar entre o poder público e a iniciativa privada. É um movimento global para permitir a oferta de informação e dados para aqueles que vão tomar as decisões”, avalia o representante da entidade que tem mais de 120 usinas associadas.

De acordo com o Instituto de Economia Agrícola (IEA), da Secretaria estadual de Agricultura e Abastecimento, há cerca de 334 mil propriedades rurais em São Paulo, das quais 283 mil (84%) pertencem a produtores familiares, com cerca de 5 a 40 hectares. Cada hectare tem o equivalente ao tamanho de um campo de futebol. “A representação que o agronegócio tinha é menor do que a importância econômica do setor”, diz Antônio Junqueira, representante da Sociedade Rural Brasileira (SRB) no Fórum.

Fonte: ESTADÃO CONTEÚDO

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.

Conteúdo original Revista DBO