Alta dos insumos pode afetar intenção de confinamento

Para Assocon, aumentos no milho e no farelo de soja podem resultar em menor número de animais confinados

As recentes altas no preço do milho e do farelo de soja preocupam os pecuaristas de todo o país que investem na terminação de bovinos em confinamento. O milho, por exemplo, que subiu 4% nos últimos 30 dias, de acordo com levantamento do Cepea/USP, sendo cotado a R$ 40,00 a saca de 60 kg, é o principal ingrediente da nutrição de bovinos confinados e semiconfinados, representando em média 70% do custo da dieta.

“A alta dos insumos impacta na diária dos bovinos. Segundo levantamento da Associação Nacional da Pecuária Intensiva (Assocon), o custo diário por animal tem variado entre R$ 8,00 e R$ 9,00. Nossa expectativa é que os custos recuem nas próximas semanas, a partir da melhor definição da safrinha de milho. O milho vencimento maio já indica uma queda para R$ 37,5/sc. Esperamos trabalhar com o custo diário médio entre R$ 7,00 a R$ 8,00 ao longo do ano. Porém, neste momento a situação ainda é altista”, analisa Bruno Andrade, gerente executivo da Assocon.

Alberto Pessina, presidente da Assocon, explica que o cenário atual é desafiador e pode haver redução do volume de animais confinados, principalmente no segundo giro de engorda. “Se os custos continuarem elevados, a intenção de confinamento pode recuar em até 10%”, informa o dirigente.

O panorama atual não cobre os custos de produção do confinamento. “A conta não fecha. O contrato para outubro paga R$ 148,50 pela arroba do boi gordo. Com o milho valendo R$ 37,50, gera um lucro de R$ 6,00/cab em São Paulo. Essa realidade inviabiliza a entrega do boi com lucro no segundo giro do confinamento”, informa Pessina.

A queda significativa dos preços dos animais de reposição e uma firmeza maior da demanda interna, pagando mais pela carne bovina, são fatores que poderiam ajudar a atividade. “Além disso, se o movimento de alta e as exportações continuarem firmes, tudo se encaixaria positivamente para o confinamento. Porém, não podemos esquecer que estamos em um ano de maior oferta de vacas”, acrescenta Pessina.

Essas oscilações mostram que é sempre positivo se preparar para o período de confinamento, armazenando matérias-primas e estocando insumos. “Quem comprou insumos na baixa tende a manter os níveis de alojamento de animais sem dificuldades”, ressalta o presidente da Assocon.

Em 2017, o movimento de queda nos preços acabou gerando oportunidade de até R$ 20/@ para aqueles que compraram a reposição na baixa e exploraram a recuperação do mercado. Ou seja, o confinador terá cada vez mais que saber olhar para fora da porteira e identificar as oportunidades. Ferramentas que auxiliam a identificar o final de movimento de queda ou alta nos preços passam a ser essenciais para a gestão.

No início do ano, a Assocon projetou crescimento de 12% em animais confinados em 2018 em comparação ao ano passado, atingindo de 3,8 milhões a 4 milhões de cabeças.

Fonte: Assocon

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on skype
Skype
Share on email
Email
Share on telegram
Telegram
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on email
Email
Share on pocket
Pocket

Posts Relacionados:

Menu

GALERIA DE FOTOS DO INSTAGRAM

Acompanhe e compartilhe:

Fechar Menu
×
×

Carrinho