Anbima vê dólar no fim de 2021 a R$ 5,00 e eleva estimativa de alta do PIB a 5,4%

A mudança acontece porque os economistas esperam um segundo trimestre um pouco mais forte do que o previsto anteriormente

Pela segunda vez seguida, a Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima) reduziu a projeção para a cotação do dólar no fim de 2021, passando de R$ 5,20 para R$ 5,00. A mudança consta de relatório do Grupo Consultivo Macroeconômico da associação divulgado no fim da manhã desta quarta-feira, 4.

O grupo também alterou a projeção para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro neste ano, elevando de 5,2% para 5,4%.

VEJA TAMBÉM | Balança comercial tem segundo maior superávit para meses de julho

A mudança acontece porque os economistas esperam um segundo trimestre um pouco mais forte do que o previsto anteriormente.

A projeção para a atividade econômica no segundo trimestre passou de estabilidade (0%), para avanço de 0,15%. Para o terceiro e quarto trimestres, foram mantidas as expectativas de crescimento de 0,6% e de 0,5%, respectivamente.

Selic

A Selic deve subir para 5,25% ao ano nesta quarta-feira e chegar a 7% no fim de 2021, conforme o relatório. A Anbima previa anteriormente que a taxa básica chegaria em dezembro deste ano a 6,5%.

A aposta de um aumento de 1 ponto porcentual pelo Comitê de Política Monetária (Copom) nesta quarta é majoritária no mercado, segundo levantamento do Projeções Broadcast, e foi compartilhada pelo Grupo Consultivo Macroeconômico, formado por economistas de instituições conveniadas à Anbima no relatório divulgado no fim da manhã.

No texto, o grupo escreveu que prevê mais três altas da Selic neste ciclo de aperto monetário. São esperadas mais uma elevação de um ponto porcentual em setembro; de 0,50 ponto porcentual em outubro e de 0,25pp em dezembro.

Inflação

Pela sexta vez seguida, os economistas também revisaram a projeção do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) do ano, que foi de 5,8% para 6,8%. A estimativa está acima do teto de tolerância da meta da inflação para 2021, que é de 5,25%.

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Revista DBO | Monta curta acelera produtividade

CONFIRA os destaques da edição de setembro da Revista DBO e o ‘Especial Genética e Reprodução’; na capa, veja como duas fazendas de ciclo completo se tornaram modelo de ‘fábrica ideal de produção de bois’

Revista DBO | Monta curta acelera produtividade

CONFIRA os destaques da edição de setembro da Revista DBO e o ‘Especial Genética e Reprodução’; na capa, veja como duas fazendas de ciclo completo se tornaram modelo de ‘fábrica ideal de produção de bois’

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.