Anvisa descarta risco de câncer causado pelo glifosato

Em nota, a Anvisa destaca que a conclusão da reavaliação é semelhante à obtida em outros países e alerta para riscos ao produtor rural
Foto: Embrapa/Sindag

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária concluiu sua reavaliação do glifosato, iniciada em 2018 , e apontou em relatório que a substância não representa risco à saúde humana. O documento, de 400 páginas, ressalta que a molécula não causa mutações no DNA, nem nos embriões ou fetos, não é cancerígeno e não é desregulador endócrino, não afetando a reprodução humana.

+Mapa confirma limite de glifosato acima do permitido pela Rússia
+Justiça suspende liminar e libera uso do glifosato
+Bayer não espera redução das vendas de glifosato

Ao todo, o processo contou com 16 pareceres da Anvisa e outros três pareceres externos. Também foram analisados o perfil de intoxicações por glifosato no Brasil e os dados do monitoramento de água para consumo humano produzidos entre 2014 e 2016. Foram analisadas 22.704 amostras de água e em apenas 0,03% dos casos havia presença de glifosato em nível acima do limite permitido.

Em nota, a Anvisa destaca que a conclusão da reavaliação é semelhante à obtida em outros países que recentemente fizeram a análise do uso do glifosato no campo, como os Estados Unidos e o Canadá, além da União Europeia. A agência reguladora ressaltou ainda que o produto apresenta maior risco para os trabalhadores que atuam em lavouras e para as pessoas que vivem próximas a estas áreas.

“Por isso, as principais medidas propostas estão voltadas para medidas relacionadas ao manejo do produto durante a sua aplicação e a sua dispersão”, explica a Anvisa. O documento propõe ajustes e definição de limites de exposição e proibição do produto concentrado para jardinagem amadora.

O glifosato é o defensivo mais utilizado no Brasil para a eliminação de ervas daninhas, sendo usado nas lavouras de soja, milho, algodão, arroz, feijão, café, banana, cacau, cana-de-açúcar, citros, coco, fumo, maçã, mamão, nectarina, pastagem, pêra, pêssego, ameixa, seringueira, trigo, uva e nas florestas de eucalipto e pinus.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on skype
Skype
Share on email
Email
Share on telegram
Telegram
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on email
Email
Share on tumblr
Tumblr
Share on print
Print

Veja também:

Fechar Menu
×

Carrinho