Após alta de preços, plantio de feijão cresce 52,5% no país

Relatório mensal do Conab aponta 1,47 milhão de hectares cultivados, com previsão de produção 52,5% superior à primeira safra do ano

O mercado de feijão segue com ritmo calmo. A oferta já formada, basicamente de grão comercial, que se avoluma a cada dia, influi numa melhor formação dos preços, segundo observa a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) em seu relatório de safra divulgado nesta quinta-feira, 9 de maio. De acordo com a Companhia, o mercado está na expectativa da oferta proveniente da segunda safra, cuja colheita já começou e se concentra agora no mês de maio.

A estimativa da Conab é de uma produção superior em 52,5% à primeira safra. Caso se confirme a previsão, a disponibilidade do produto deverá se manter firme, favorecida pelas ofertas oriundas dos estados das Regiões Centro-Oeste, Sudeste e Nordeste do país. A área plantada na segunda safra é estimada em 1,47 milhão de hectares, avanço de 59,78% ante a primeira safra deste ano.

Continue a leitura após o anúncio

“Diante da conjunção desses fatores (maior oferta e baixo consumo) não se vislumbra, em curto prazo, qualquer perspectiva de recuperação dos preços, a não ser por uma frustração da safra”, aponta o relatório do órgão. Segundo a Companhia, muitos comerciantes estão postergando suas compras e aguardando o aumento na oferta, com preços mais baixos e melhor qualidade dos grãos. Deste modo, este procedimento deve contribuir para estimular o consumo que anda em baixa.

Em relação ao plantio da safra de inverno (terceira safra), a Conab destaca que o plantio já se iniciou e a operação tem avançado, com estimativa de área semeada de 579,7 mil hectares. O órgão afirma que produtores irrigantes se preparam para o plantio e acompanham atentamente o comportamento do mercado.

“Se prevalecer essa tendência [de preços baixos], muitos poderão migrar para o plantio de outras culturas, o que poderá comprometer o quadro de oferta”, observa a instituição. Segundo a Conab, os valores recebidos pelos produtores para o feijão recém-colhidos estão oscilando entre R$ 130 e R$ 160 a saca, dependendo da qualidade da mercadoria.

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.

Conteúdo original Revista DBO