Arroba do boi-China bate R$ 310 no interior paulista

No geral, o quadro de baixa oferta de animais terminados mantém o gado pronto em patamares elevados

Em São Paulo, os negócios envolvendo bovinos direcionados ao mercado da China (animais jovens, com até quatro dentes) já atingem o patamar de R$ 310/@, preço bruto e à vista, informa a Scot Consultoria. “A oferta baixa de animais terminados e a demanda firme têm pressionado as cotações da arroba”, afirma a consultoria, acrescentando que, nesta quinta-feira (4/3), os frigoríficos negociaram a compra de boiada gorda destinado ao mercado interno paulista por R$ 303/@, também vista, um acréscimo de R$ 1/@ na comparação com o preço do dia anterior. O valor da novilha gorda subiu na mesma toada (R$1/@ a mais), para R$ 294/@, à vista, e a vaca gorda ficou estável na praça paulista, cotada em R$280/@, nas mesmas condições de pagamento.

Segundo a IHS Markit, para tentar driblar a atual estagnação do consumo interno de carne bovina, as unidades de abate reduziram capacidade operacional das plantas, cadenciando ainda mais seus processos de compra de gado. A estratégia atual da indústria é não ir com muita cede ao mercado, para não tomar prejuízos com o acúmulo de estoques nas câmaras frias, devido ao baixo escoamento da carne no atacado/varejo – um reflexo do quadro de crise na economia e o agravamento da pandemia de Covid-19 em todo o Brasil.

Os pecuaristas, por sua vez, tomam estratégias diferentes, dependendo da região de produção. Em parte do Brasil-Central, os produtores seguram os animais no pasto, em busca de melhores preços para a arroba, pois seguem preocupados com a elevação nos custos de produção, depois do aumento expressivo dos insumos da ração animal, especialmente o preço do milho, além do encarecimento dos animais de reposição.

No entanto, em algumas regiões do Mato Grosso, informa a IHS, os pecuaristas foram obrigados a desovar parte de seus estoques de animais terminados devido ao excesso de chuva, que afetou o pasto, gerando problemas relacionados ao manejo dos bovinos. “Produtores de algumas praças do Mato Grosso tiveram que optar pela venda, o que abriu espaço para ajustes negativos nos preços da arroba”, afirma a IHS (veja ao final deste texto as cotações desta quinta-feira nas principais praças pecuárias do País).

Preços futuros sobem

As cotações do boi gordo na bolsa de mercadorias B3 encerraram a quarta-feira (3/3) em ritmo de alta. O preço futuro para março/21 ficou cotado a R$ 308,55/@, tendo um avanço diário de 1%, informa a Agrifato.

O contrato para maio/21 valorizou 0,86%, finalizando o dia cotado a R$ 300,20/@. “O mercado físico dita a força e o ritmo de alta nas negociações futuras e, com a oferta ainda escassa, a pressão sobre a cotação do boi gordo continua”, avalia a consultoria Agrifatto.

Estabilidade no atacado

No mercado atacadista brasileiro, os preços dos principais cortes bovinos seguem estagnados em função do lento ritmo das vendas, relata a IHS Markit. Apesar da chegada de mais um começo de mês, quando há uma forte entrada de massa salarial, o fluxo de venda ainda mostra inconsistência, acrescenta a consultoria.

Os preços, porém, seguem estáveis devido à irregularidade dos abates. Para piorar o ambiente, acrescenta a IHS, o setor recebe com muito desânimo e preocupação a notícias de que alguns Estados, como São Paulo, anunciaram o retorno do isolamento social, com nova paralisação de restaurantes e bares, um dos pontos importantes de escoamento da proteína vermelha.

Cotações desta quinta-feira (4/3), segundo dados da IHS Markit:

SP-Noroeste:

boi a R$ 305/@ (prazo)
vaca a R$ 291/@ (prazo)

MS-Dourados:

boi a R$ 281/@ (à vista)
vaca a R$ 269/@ (à vista)

MS-C. Grande:

boi a R$ 286/@ (prazo)
vaca a R$ 271/@ (prazo)

MS-Três Lagoas:

boi a R$ 284/@ (prazo)
vaca a R$ 268/@ (prazo)

MT-Cáceres:

boi a R$ 291/@ (prazo)
vaca a R$ 279/@ (prazo)

MT-Tangará:

boi a R$ 291/@ (prazo)
vaca a R$ 279/@ (prazo)

MT-B. Garças:

boi a R$ 291/@ (prazo)
vaca a R$ 280/@ (prazo)

MT-Cuiabá:

boi a R$ 289/@ (à vista)
vaca a R$ 277/@ (à vista)

MT-Colíder:

boi a R$ 286/@ (à vista)
vaca a R$ 273/@ (à vista)

GO-Goiânia:

boi a R$ 298/@ (prazo)
vaca R$ 288/@ (prazo)

GO-Sul:

boi a R$ 291/@ (prazo)
vaca a R$ 278/@ (prazo)

PR-Maringá:

boi a R$ 281/@ (à vista)
vaca a R$ 266/@ (à vista)

MG-Triângulo:

boi a R$ 298/@ (prazo)
vaca a R$ 270/@ (prazo)

MG-B.H.:

boi a R$ 294/@ (prazo)
vaca a R$ 278/@ (prazo)

BA-F. Santana:

boi a R$ 281/@ (à vista)
vaca a R$ 271/@ (à vista)

RS-Porto Alegre:

boi a R$ 294/@ (à vista)
vaca a R$ 285/@ (à vista)

RS-Fronteira:

boi a R$ 294/@ (à vista)
vaca a R$ 285/@ (à vista)

PA-Marabá:

boi a R$ 278/@ (prazo)
vaca a R$ 273/@ (prazo)

PA-Redenção:

boi a R$ [email protected] (prazo)
vaca a R$ 273/@ (prazo)

PA-Paragominas:

boi a R$ 277/@ (prazo)
vaca a R$ 273/@ (prazo)

TO-Araguaína:

boi a R$ 281/@ (prazo)
vaca a R$ 271/@ (prazo)

TO-Gurupi:

boi a R$ 279/@ (à vista)
vaca a R$ 269/@ (à vista)

RO-Cacoal:

boi a R$ 276/@ (à vista)
vaca a R$ 263/@ (à vista)

RJ-Campos:

boi a R$ 281/@ (prazo)
vaca a R$ 263/@ (prazo)

MA-Açailândia:

boi a R$ 273/@ (à vista)
vaca a R$ 256/@ (à vista)

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

As apostas são altas para o futuro da produção de carne no Brasil. Veja o que dizem as lideranças ouvidas para o Especial Perspectivas 2021 do Anuário DBO. Assista:

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.