Arroba do “Boi-china” vale até R$ 10 a mais

Mercado é empurrado pela indústria exportadora. Confira os preços nas principais praças pecuárias

Nas praças pecuárias com maior  presença de indústrias exportadoras de carne bovina, há registros de frigoríficos que pagam prêmios até R$ 10/@ acima dos valores vigentes no mercado do boi gordo, desde que os animais cumpram requisitos da demanda internacional, o chamado “boi china”, destaca a Informa Economics FNP.

Segundo a consultoria, nesta segunda-feira, 11 de maio, os preços do gordo mantiveram-se firmes nas principais regiões pecuárias. Em São Paulo, poucos negócios foram efetivados neste primeiro dia da semana e o que segurou o valor da arroba (na casa dos R$ 200, a prazo) foram “as vendas consistentes no front internacional”.

Chegada do frio

Desde a semana passada massas de ar frio tem atingido o Centro-Sul do País o que, no curto prazo, deve aumentar a oferta de gado terminado ao mercado. Por sua vez, nas regiões Norte e Nordeste, os produtores ainda dispõem de pastos com qualidade, resultado dos consistentes níveis de chuvas que vêm sendo registrados, informa a FNP.

Mercado doméstico

No atacado brasileiro, os preços dos cortes bovinos se mantiveram estáveis nesta segunda-feira. A aparente reação no consumo doméstico durante o final de semana, devido às comemorações do Dia das Mães, deve aumentar a procura por carne para reposição nos supermercados no curto prazo, observa a consultoria. No entanto, o prolongamento do isolamento social nos grandes centros urbanos e a aproximação da segunda quinzena do mês (período de menor poder de compra da população) não devem abrir margem para grandes ajustes positivos no curtíssimo prazo, prevê a FNP.

Confira as cotações desta segunda-feira, 11 de maio, de acordo com a FNP:

SP-Noroeste: R$ 201/@ a (prazo)

MS-Dourados: R$ 177/@ (à vista)

MS-C. Grande: R$ 180/@ (prazo)

MS-Três Lagoas: R$ 181/@ (prazo)

MT-Cáceres: R$ 180/@ (prazo)

MT-Tangará: R$ 178/@ (prazo)

MT-B. Garças: R$ 177/@ (prazo)

MT-Cuiabá: R$ 175/@ (à vista)

MT-Colíder: R$ 171/@ (à vista)

GO-Goiânia: R$ 180/@ (prazo)

GO-Sul: R$ 179/@ (prazo)

PR-Maringá: R$ 182/@ (à vista)

MG-Triângulo: R$ 191/@ (prazo)

MG-B.H.: R$ 182/@ (prazo)

BA-F. Santana: R$ 187/@ (à vista)

RS-P.Alegre: R$ 188/@ (à vista)

RS-Fronteira: R$ 186/@ (à vista)

PA-Marabá: R$ 185/@ (prazo)

PA-Redenção: R$ 182/@ (à vista)

PA-Paragominas: R$ 188/@ (prazo)

TO-Araguaína: R$ 184/@ (prazo)

TO-Gurupi: R$ 178/@ (à vista)

RO-Cacoal: R$ 172/@ (à vista)

RJ-Campos: R$ 180/@ (prazo)

MA-Açailândia: R$ 178/@ (à vista)

 

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Sou pecuarista e esse frigorífico é meu

Leia a Revista DBO que encerra o ano de 2020. Ela conta a mais nova façanha da Cooperaliança, a primeira cooperativa a verticalizar a cadeia da carne bovina, além de trazer outras 25 reportagens e artigos.

Sou pecuarista e esse frigorífico é meu

Leia a Revista DBO que encerra o ano de 2020. Ela conta a mais nova façanha da Cooperaliança, a primeira cooperativa a verticalizar a cadeia da carne bovina, além de trazer outras 25 reportagens e artigos.

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.