Arroba do boi gordo pode estar próxima do teto máximo, afirma analista de mercado da Agrifatto

Durante o 'DBO Entrevista', o economista Yago Travagini afirmou que a valorização pode até continuar no ano que vem, podendo chegar a cerca de R$ 350/@, mas há dúvidas em relação a preços mais altos

Apesar da forte onda de valorização da arroba do boi gordo nos últimos 33 dias, o receio é que a cada dia que passa, o valor esteja mais próximo de seu teto máximo, segundo avalia o economista Yago Travagini Ferreira, analista de mercado da Agrifatto, de São Paulo (SP).

Yago foi o convidado do programa DBO Entrevista para falar sobre os cenários do boi gordo em 2022 (confira no final do texto o vídeo da entrevista, na íntegra).

Segundo o analista de mercado, a valorização pode até continuar no ano que vem, podendo chegar a cerca de R$ 350/@, no entanto, há dúvidas em relação a preços mais altos que este. Isso indica que os preços podem estar chegando ao teto máximo.

Foto: Divulgação/Agrifatto

“Diferentemente do que a gente viu em outubro, novembro foi um mês de alta valorização do boi gordo. Fazia tempo que a gente não via uma arroba tão valorizada”, explica Yago.

Pelo Indicador do boi gordo Cepea/B3, a nova guinada de preços começou no dia 29 de outubro, após o dia anterior (28/10), ter registrado a média de valor mais baixa do ano – R$ 254,10. Ontem, o indicador ficou em R$ 322,30.

“A gente até tabelou quando foi a última vez que, num intervalo de 25 a 30 dias, a arroba valorizou tanto assim. Voltamos lá em meados de novembro de 2019, quando a arroba saiu do patamar de R$ 150 a RS 140 e bateu R$ 190”, diz o consultor da Agrifatto.

A dúvida é até quando esse movimento de alta continuará assim, em função da elasticidade do preço da carne no mercado atacadista, que não vê tanto espaço para a alta de preços.

“O mercado começa a entrar num estado de saturação de demanda, por não conseguir repassar esse custo mais alto da arroba”, explica Yago.

Por isso, para 2022, a tendência é de preços mais estáveis do que foi 2021 e 2020, além de uma pressão maior na margem do pecuarista.

O que mais pesará na conta dos pecuaristas no ano que vem é justamente o custo da compra dos animais de reposição, feitas ao longo de 2021. A boa notícia é que ano que vem os pecuaristas possam vislumbrar uma melhora na oferta de boi magro.

2021, o ano da volatilidade

Uma das grandes lições que 2021 deixa aos produtores, na opinião de Yago, é a atenção ao uso de ferramentas de gestão de risco de preço, por causa da volatilidade em relação a valorização da arroba.

Apesar da volatilidade também ter sido observada em 2020, neste ano, ela foi muito acentuada, especialmente a partir de setembro, quando houve a paralisação dos embarques para a China.

“Por uma decisão de um mês de diferença o pecuarista deixou de vender a R$ 300 e R$ 320 e teve de vender a R$ 250. Ele perdeu R$ 60 a R$ 70 de faturamento e foram diversas as histórias de produtores e pecuaristas que perderam R$ 1.000 por cabeça”, diz.

Retorno da China

O tão esperado retorno das compras chinesas de carne bovina brasileira deve acontecer mesmo no ano que vem, sem uma previsão para qual mês, exatamente. Segundo Yago, esse é um dos fundamentos que está aquecendo os valores da arroba no mercado futuro.

“O que eu posso falar de movimento concreto é da carcaça casada suína que já começou a subir ao mesmo tempo que os estoques de carne bovina na China estão relativamente reduzidos”, diz o consultor da Agrifatto.

Confira na íntegra a entrevista

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Revista DBO | Ele quer todo gado na sombra

VEJA os destaques da edição de maio e o Especial Instalações e Equipamentos; na capa, a Agropastoril Campanelli investe em cobertura metálica dos currais e comprova ganho de mais de meia arroba por animal engordado na sombra

Revista DBO | Ele quer todo gado na sombra

VEJA os destaques da edição de maio e o Especial Instalações e Equipamentos; na capa, a Agropastoril Campanelli investe em cobertura metálica dos currais e comprova ganho de mais de meia arroba por animal engordado na sombra

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.