ARTIGO | Mapeamento das áreas afetadas pela estiagem no Brasil

O pesquisador Daniel Pereira Guimarães, da Embrapa Milho e Sorgo (Sete Lagoas, MG), apresenta os impactos da seca em diversas regiões do País

Por Daniel Pereira Guimarães, pesquisador da Embrapa Milho e Sorgo 

Daniel Pereira Guimarães (Foto: Reprodução)

As condições climáticas contribuem para que o Brasil seja o paraíso das águas e detenha cerca de 12% da água doce do planeta. No entanto, a distribuição espacial de nossos recursos hídricos e as variabilidades temporais provocam anomalias que precisam ser continuamente monitoradas. O excesso de chuvas tende a causar danos materiais e humanos, mas os impactos normalmente são localizados. A estiagem reduz a disponibilidade hídrica e provoca danos em escalas mais amplas, impactando fortemente o meio ambiente, a produção de alimentos, a geração de energia e os abastecimentos humano e industrial.

Nos últimos 20 anos, tivemos três períodos de estiagens intensas que afetaram as áreas mais populosas e os polos de produção agropecuária. Primeiro, ocorreu o apagão em 2001, com a crise no setor elétrico. Em seguida, a crise hídrica de 2014-2015, em que o fato mais marcante foi o desabastecimento hídrico de São Paulo.

E agora acontece uma crise hídrica, que teve início com o atraso da estação chuvosa, provocando altas temperaturas e incidências de incêndios, como os verificados na região do Pantanal, e a drástica redução das chuvas a partir do mês de março. Essa estiagem tem implicações socioeconômicas mais graves porque ocorre durante a pandemia, afetando a geração de renda no campo e a segurança alimentar.

VEJA TAMBÉM | Governo confirma alerta de emergência hídrica para cinco Estados de junho a setembro

Diferentemente das outras estiagens que afetaram o País, atualmente há mais informações que possibilitam a formulação de políticas públicas para a antecipação de medidas mitigadoras. No caso da geração de energia, existem fontes alternativas, como a geração térmica, e está havendo o crescimento expressivo das energias limpas de fonte solar e eólica. No caso da produção de alimentos e fibras, os maiores avanços estão relacionados com o Zoneamento Agrícola de Riscos Climáticos para mais de 40 culturas e com os programas de apoio ao crédito e seguro rural.

O monitoramento climatológico e ambiental teve ganhos expressivos com a melhoria na qualidade e a maior facilidade de acesso às imagens oriundas de satélites, as bases do MapBiomas, com participação de diversas instituições públicas e privadas, e o projeto Pronasolos, resultante de parceria entre a Embrapa, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e o Serviço Geológico do Brasil (CPRM).

Dinâmica da água nos solos – A integração de informações sobre condições atmosféricas, uso e ocupação dos solos e as características texturais deles permite caracterizar o ciclo hidrológico e, simultaneamente, suas variações no tempo e no espaço. As chuvas incorporam a água nos solos até seus limites de absorção. A água excedente alimenta os cursos hídricos e o lençol freático. E a evaporação e a transpiração das plantas (denominada de evapotranspiração) devolvem a água para a atmosfera renovando o ciclo hidrológico.

As condições climatológicas e características dos solos determinam a ocorrência dos ecossistemas formadores dos biomas, que são fortemente impactados pelas anomalias climáticas ou ações antrópicas. O monitoramento da dinâmica da água no solo permitiu identificar as áreas mais impactadas e as tendências de agravamento da situação ao longo do tempo.

Os resultados indicam que os estados da Região Norte e o Maranhão mantiveram a normalidade da disponibilidade hídrica dos solos, exceto Roraima, onde a ocorrência de chuvas nos meses de março e abril foi muito superior às médias. A partir de abril, a disponibilidade de água nos solos apresentou alta redução no Mato Grosso do Sul, São Paulo, Paraná e Santa Catarina e, com impactos menores, em Goiás, Minas Gerais e Rio de Janeiro. No Espírito Santo e em regiões litorâneas, até o Rio Grande do Norte, as condições hídricas estão acima das médias esperadas para o período. Áreas do Ceará, Piauí e oeste da Bahia também apresentam déficit de água nos solos.

Impactos regionais – Os grandes danos causados pela estiagem tendem a se agravar, principalmente nos estados das regiões Sudeste e Centro-Oeste, onde o período de estiagem está começando. Para a Região Sul, apesar do fim do fenômeno La Niña em meados de abril, a maioria dos modelos de previsão climática indica tendências de chuvas abaixo da média e temperaturas mais elevadas para os próximos três meses.

(Fonte:https://www.cpc.ncep.noaa.gov/products/international/nmme/html_monthly/precip_stdanom_samerica_body.html)

O mapa da disponibilidade de água nos solos mostra a situação nas mesorregiões dos estados brasileiros no final de maio de 2021, em relação ao esperado para o período.

Anomalias hídricas nas mesorregiões no final de maio de 2021

 

Além das perdas já reportadas na produção agrícola e das medidas já adotadas para o gerenciamento dos recursos hídricos, merece atenções especiais a área da pecuária. Para ela estão previstos fortes impactos no Mato Grosso do Sul, Oeste de São Paulo e Triângulo Mineiro. Também precisam ser observadas as áreas de agricultura irrigada e as culturas agrícolas de ciclos longos, como café, cana-de-açúcar, frutíferas e espécies florestais. O agricultor deve ficar atento ao aumento dos riscos de incêndios e ao meio ambiente de modo geral.

Os maiores impactos da estiagem ocorrerão na bacia hidrográfica do Rio Paraná, principal fonte geradora de energia elétrica do Brasil. Em menor escala, temos a bacia do Rio São Francisco, onde os níveis de água do solo são inferiores a 60% das médias históricas nos principais afluentes, como o Rio das Velhas, o Rio Pará, o Rio Paraopeba, o Rio Paracatu e o Rio Urucuia, em Minas Gerais, e os Rios Corrente e Grande, no Oeste Baiano.

O monitoramento da dinâmica da disponibilidade hídrica nos solos apresenta-se como importante ferramenta para auxiliar na formulação de políticas públicas, previsões de produtividade agrícola, disponibilidade dos recursos hídricos, riscos de alagamentos, inundações e desabamentos, severidade das estiagens e riscos de incêndios, contribuindo para a antecipação de medidas mitigadoras que minimizem perdas econômicas, ambientais e sociais.

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

O novo horizonte da silagem de cana

VEJA os destaques da edição de junho e o Especial Suplementação; na capa, a silagem de cana retorna com mais qualidade aos confinamentos como alternativa vantajosa em tempo de milho e subprodutos caros

O novo horizonte da silagem de cana

VEJA os destaques da edição de junho e o Especial Suplementação; na capa, a silagem de cana retorna com mais qualidade aos confinamentos como alternativa vantajosa em tempo de milho e subprodutos caros

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.