As três quebras de paradigma da pecuária de corte

Thiago Bernardino de Carvalho discute as mudanças da cadeia produtiva nas últimas décadas

A cadeia de pecuária de corte passou por intensas transformações nas últimas décadas que resultaram em uma nova dinâmica do setor. É evidente para os agentes da cadeia que, desde o início do Plano Real e do fim do movimento inflacionário e ganhos financeiros, tanto o produtor como a indústria tiveram que se adaptar à nova realidade de margens reduzidas e à necessidade de capital de giro.

Esse novo cenário da economia brasileira e o movimento de globalização da década de 90 foram, de certa forma, os propulsores da busca por melhor planejamento da atividade como cadeia.

Nesse sentido, desde o início dos anos 2000 – e especialmente nos últimos 10 anos –, com o expressivo aumento das exportações de carne bovina brasileira, o setor de pecuária de corte vem passando por três grandes movimentos de quebras de paradigmas: o industrial, o do mercado consumidor e, por fim, o de dentro da porteira, da produção.

O primeiro grande movimento observado foi em relação aos frigoríficos. Com a redução do ganho financeiro da inflação, a abertura do mercado e a necessidade de se tornar mais eficiente, o setor industrial se viu na necessidade de ter maiores fluxos de caixa e de capital para investimento e também de crescimento – tanto no mercado interno quanto no externo. Esse movimento começou em 2007, com a abertura de capital da JBS, Minerva e Marfrig, somada à política do governo da época – de criação das “campeãs nacionais” –, com aporte de órgãos públicos, como BNDES e fundos de previdência de estatais.

A abertura de capital dessas empresas, por sua vez, trouxe uma nova realidade para o setor. Houve melhora na estruturação financeira e na atuação nos mercados futuros de câmbio e de boi gordo, assim como alongamento de contratos com clientes e busca para se chegar ao consumidor final.

Essa nova realidade no setor fez com que muitas indústrias deixassem a atividade por falta de eficiência e de profissionalismo e pela forte concorrência justamente com os grupos que estavam adquirindo maior aporte de capital. Como consequência, houve um movimento de concentração do setor: a participação das três grandes empresas do setor no abate nacional saiu de 27,8% em 2007 para 57,4% em 2016 (com base no abate com SIF). E esse movimento mudou as relações entre fornecedores e clientes, estimulando alterações também nos demais elos da cadeia.

A segunda quebra de paradigma (e a grande transformação na cadeia) ocorreu no mercado consumidor. No período de 2005 a 2014, a economia brasileira passou por um cenário positivo, com controle de inflação e aumentos do salário real e do emprego, resultando em um mercado consumidor aquecido, principalmente com o crescimento da classe média. O maior poder aquisitivo, por sua vez, levou o consumidor brasileiro a buscar produtos com maior valor agregado e, no caso da carne bovina, uma carne mais padronizada, macia, precoce e de diferentes raças.

Esse movimento fez com que, pela primeira vez, surgissem no mercado as marcas de carne bovina e “boutiques de carnes”. Observou-se, também, crescimento de frigoríficos com selos de carnes diferenciadas e especializadas em nichos de mercado. Nesse ponto, surge a economia de diferenciação, em que o consumidor busca qualidade e cria uma relação nova com o produto ofertado.

Em São Paulo, novos frigoríficos como foco em carnes de gado cruzado ou europeu surgiram, tendo somente o selo Sisp (Serviço de Inspeção Estadual), ou seja, no intuito de vender carne apenas no Estado paulista, onde há alto poder aquisitivo e demanda firme e forte por produtos diferenciados. Um número que atesta esse movimento é o de abate. Em 2010, o abate SIF (Serviço de Inspeção Federal) representava 92% do total nacional e, em 2017, caiu para 77%.

Dados do Indea (Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso) mostram como a busca por precocidade e maciez impactou também no setor produtivo. Enquanto em 2006 o abate de bovinos com mais de três anos representava 57% do total do estado mato-grossense, em 2017, o abate de bovinos até três anos correspondeu a 77% (Indea).

A terceira grande quebra de paradigma ocorreu dentro da porteira, no sentido de como o produtor passou a enxergar a sua atividade após as mudanças no setor na última década – vale lembrar que, até os anos 90, pecuaristas tinham o boi gordo como reserva de valor.

A necessidade de melhorar a produtividade e a rentabilidade – devido ao avanço de outras atividades (grãos, cana-de-açúcar, floresta etc.) e ao limite de área disponível para expansão – levou o pecuarista a buscar novas tecnologias em nutrição, pastagem, manejo sanitário e genética – este último registrou forte avanço a partir de 2008, por meio do cruzamento industrial, principalmente com gado Angus e Nelore. E esse contexto resultou em menor custo fixo, fazendo um giro mais rápido na propriedade e aumentando a competitividade da atividade.

Fonte: Cepea.

*As opiniões expressas nos artigos não necessariamente refletem a posição do Portal DBO.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on skype
Skype
Share on email
Email
Share on telegram
Telegram
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on email
Email
Share on pocket
Pocket

Veja também:

Sobre o autor

Menu

Tá! Tá! Tá na hora!

Hélio Casale recomenda manejos práticos no cafezal pra garantir uma lavoura produtiva e sustentável.

Fechar Menu
×

Carrinho