Associação quer expandir integração para energia

Em nova fase, Rede ILPF busca alternativas para crédito e ampliação de assistência técnica especializada
Lessandro Menossi, Luiz Lourenço, Maurício Lopes, Paulo Hermann, Valter Brunner e Aurélio Pagani no lançamento da Associação Rede ILPF. Foto: Thuany Coelho.

Há quase seis anos promovendo a integração lavoura-pecuária-floresta (ILPF), a Rede ILPF planeja acrescentar mais um componente aos sistemas integrados: a energia. Segundo Renato Rodrigues, presidente do Conselho Gestor da agora associação, já existem pesquisas com a produção de biomassa e há planejamento para estudos também com energia solar. “O produtor vai passar a produzir energia dentro da propriedade”.

A entidade lançou nesta quarta-feira, 4, em Brasília, sua nova fase como Associação Rede ILPF, possibilitando a abertura para mais parceiros e buscando expandir a área de ILPF no país, estimada em cerca de 12 milhões em 2016. “Já mostramos que a complexidade não vai quebrar o agricultor, mas dar resiliência. Agora vamos trabalhar na difusão, na agregação de serviços ambientais, na captação de recursos de agências internacionais para financiar equipamentos, gado, e acelerar o programa”, conta Paulo Hermann, presidente da John Deere Brasil, uma das participantes da associação. Embrapa, Cocamar, Syngenta, Soesp, Bradesco e SOS Mata Atlântica também fazem parte da Rede ILPF atualmente.

Continue a leitura após o anúncio

Em relação ao crédito, a entidade pretende lançar um fundo de investimento com aporte de organismos internacionais que disponibilize crédito em condições acessíveis para os produtores que optem por sistemas integrados. Os rendimentos também ajudarão a financiar a associação. O Bradesco, novo parceiro, também garante que os agentes do banco estão prontos para lidar com as demandas por crédito voltado a sistemas integrados.

O presidente da Embrapa, Maurício Lopes, ainda destaca como meta o fortalecimento das pesquisas de integração e de agricultura de baixo carbono como objetivo da Rede. “Também precisamos mostrar o que o Brasil vem fazendo. O agronegócio nacional segue sendo criticado, mas avançamos muito em uma produção com baixa emissão de carbono. Então precisamos de uma estratégia de comunicação que nos ajude a mostrar isso pro mundo”.

Assistência técnica

Um dos focos da Rede será a ampliação de assistência técnica especializada, uma das dificuldades na implantação dos sistemas atualmente. “Precisamos rever grades curriculares dos cursos de ciências agrárias para formar gente com visão de integração, intensificação e sustentabilidade”, diz Hermann. Segundo ele, porém, não é necessário ficar preso à assistência presencial. “Temos que olhar para a extensão rural de uma maneira mais moderna. Essa extensão do carro visitando fazenda por fazenda é coisa do passado. Precisamos usar os recursos da comunicação moderna para levar o conhecimento e diminuir as distâncias, sem que tenha que ser físico”. Para o presidente da Embrapa, também é importante uma conexão entre assistência técnica pública e privada para que os sistemas avancem.

Fonte: Portal DBO.

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.

Relacionado

Conteúdo original Revista DBO