Aumento do consumo de café em casa não compensa retração no food service

Segundo o diretor executivo da Organização Internacional do Café, José Sette, a queda no consumo fora de casa é maior do que o aumento no consumo em casa
Foto: Ilustração/Internet

O consumo de café dentro de casa, que aumentou durante a pandemia de covid-19, com mais pessoas fazendo home office, não deve compensar a forte queda da demanda decorrente de cafés e restaurantes fechados.

A sensação, ao conversar com as pessoas do mercado, é que a queda no consumo fora de casa é maior do que o aumento no consumo em casa“, disse o diretor executivo da Organização Internacional do Café, José Sette. “Por isso é improvável que o aumento do consumo doméstico compense totalmente. Isso ainda é uma especulação“.

Continue a leitura após o anúncio

A queda nos futuros do café arábica este ano coloca o produto entre as commodities com pior desempenho, junto com petróleo nos EUA. Mas analistas dizem que os preços do café podem reagir se as medidas de estímulo governamentais fizerem o consumidor a buscar mais a bebida ou incentivarem idas a cafés e restaurantes. Pesa no resultado o fato de o mercado ter excesso de oferta, com colheita farta no Brasil, maior produtor mundial do grão.

A alta oferta dificulta a recuperação dos preços após a queda nos últimos meses“, disse a analista de commodities agrícolas do Commerzbank, Michaela Kühl.

Os contratos futuros de café do tipo arábica, mais utilizado em cafés e restaurantes e produzido na América do Sul, caíram quase 9% na Bolsa de Nova York (ICE Futures US) em 2020.

Já os contratos futuros do café robusta, que está nas cápsulas para máquinas de expresso domiciliares, cederam menos de 3% na Bolsa de Londres (ICE Futures Europe). Esses grãos, de sabor mais forte, são cultivados em maior escala no Vietnã.

A previsão é de que o consumo de café deve cair pela primeira vez desde 2011, segundo projeções do Departamento de Agricultura dos EUA. Mas em 2021 o consumo poderá subir 1,5%, para 166,3 milhões de sacas, de acordo com o relatório.

O fornecimento de grãos arábica, que representam cerca de 60% do café comercializado no mundo, ainda pode estar em risco se as fazendas de menor escala da Colômbia e da Costa Rica tiverem dificuldade para contratar trabalhadores migrantes qualificados, avalia a analista de café sênior da DR Wakefield, Priscilla Daniel.

Se você tem uma pessoa menos experiente e um número menor de trabalhadores por metro quadrado, perderá o momento perfeito para escolher e a qualidade poderá não ser tão boa“, avalia.

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.

Conteúdo original Revista DBO