Braford: oferta histórica e fatura preservada

Com 4.761 lotes de machos, fêmeas e embriões, raça bate o recorde de produtos vendidos

Por Alisson Freitas

Continue a leitura após o anúncio

Fruto do cruzamento do Hereford com zebuínos, quase sempre o Nelore, o Braford tem conquistado espaço nos leilões. O grande salto ocorreu em 2015, quando 4.716 lotes foram negociados por R$ 30,5 milhões. Mesmo com o recuo no ano seguinte, a raça se manteve entre as mais vendidas do País. Em 2017, ela volta a se destacar, com recorde de 4.761 exemplares comercializados, alta de 1,5% em relação aos 4.691 lotes de 2016, de acordo com o Banco de Dados da DBO.

O número de remates também foi recorde: 67, seis a mais do que no ano anterior. O faturamento oscilou pouco: R$ 26,3 milhões, ante R$ 26,6 milhões de 2016. Os reprodutores seguem sendo o impulsionador de vendas da raça. Foram negociados 1.827 machos, 3,2% a mais do que no ano anterior. O comércio da categoria movimentou R$ 16,5 milhões, 63% do total arrecadado pelo Braford em 2017. No entanto, o preço médio recuou 3,9%, saindo de R$ 9.436 de 2016 para R$ 9.072.

Se os machos contribuíram com a maior movimentação, as fêmeas lideraram em quantidade. Os 2.904 exemplares vendidos no ano passado alcançaram 61% da oferta total. O preço médio da categoria foi de R$ 3.321. Os resultados foram semelhantes aos 2.896 lotes a R$ 3.372 de 2016.

Assim como em grande parte das raças taurinas e compostas, o comércio de Braford está concentrado no mês outubro, quando tradicionalmente ocorre o pico de vendas do circuito de remates de primavera no Rio Grande do Sul. Foi de lá que saíram as maiores valorizações. Realizado em Camaquã, em 7 de outubro, o Remate Santa Tereza teve a maior média de touros, 30 animais ao preço médio de R$ 19.817. Já a maior média de fêmeas ocorreu no Remate da Estância Bela Vista, que comercializou 25 matrizes pela média de R$ 6.948, em Santana de Livramento, no dia 17 do mesmo mês.

Além de outubro, maio tem se fixado como importante para o calendário da raça. Desde que o selecionador Pedro Monteiro Lopes promoveu o Megaleilão Pitangueira, em 2015, o mês costuma ser usado por criadores para vender animais de produção.

Em maio de 2017, foram vendidos 598 lotes por R$ 2,3 milhões em três remates. No dia 7, em Porto Alegre, RS, o Revolution registrou a maior venda de machos do ano, ao comercializar 112 animais de produção, a R$ 4.879 de média. Já o Onda Cara Branca, da Associação Brasileira de Hereford e Braford (ABHB), liderou o ranking de fêmeas, ao negociar 304 matrizes prenhes a R$ 2.939 de média no dia 16, durante a Exposição Nacional da raça, em Alegrete, RS.

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.