Bezerras com maior ganho de peso até a desmama produzem até 17% mais leite na primeira lactação

Estudo aponta que estratégias de incremento de peso das bezerras impactam a produtividade e a lucratividade do rebanho

Os cuidados sanitários, o acerto na nutrição e o ganho de peso na fase inicial de criação das bezerras, compreendida entre o nascimento e a desmama, pode significar uma diferença de até 17% a mais na produção de leite na primeira lactação desses animais. A conclusão faz parte das análises da sétima edição do Índice Ideagri do Leite Brasileiro (IILB-7).

“A boa alimentação e a boa saúde também aumentam a taxa de sobrevivência das bezerras e influenciam positivamente a produção de leite ao longo da vida da futura matriz”, diz Heloise Duarte, médica veterinária e CEO da Ideagri. Segundo ela, “todos esses fatores somados refletem na maior lucratividade da operação leiteira, o que aumenta a importância de uma estratégia de incremento de peso para bezerras”.

Os números do IILB são calculados sobre o banco de dados de quase 5.000 fazendas clientes do software. Entram no cálculo as que realizam backups regulares das informações de gestão da propriedade. Para a sétima edição, 1.002 fazendas foram classificadas, responsáveis pela produção conjunta de 3,7 milhões de litros de leite/dia, ou 1,37 bilhão de litros por ano. Para o estudo da relação desenvolvimento x primeira lactação, foram separados dados de fêmeas de primeira lactação do Perfil 1 (genética europeia), com registros de peso ao nascimento e à desmama, desmamadas entre 50 e 100 dias e com pelo menos 10 lactações. Assim, foram avaliadas 5.090 lactações.

A pesquisa aponta que as bezerras avaliadas produzem, em média, 9.291 kg/l em valores corrigidos para 305 dias de produção. Mostra, ainda, que existe uma faixa de ganho de peso ideal para se obter maior lactação, entre 709g/dia e 1.045g/dia, em que a produção fica acima daquela média, variando entre 9.530 e 9.404 kg de leite. A melhor relação está no ganho de peso entre 911 e 977g/dia, com 9.589 kg de leite. Foi notada a diminuição de produção para bezerras que ganham peso a partir de 1.045g/dia.

“A explicação fisiológica provável para esse fenômeno é que os animais podem estar chegando ao parto com condição corporal elevada, o que traz vários transtornos para a produção de leite”, diz a CEO.

Já as bezerras que ganham pouco peso produzem menos. “Esse é um fato conhecido, mas conseguimos medir a perda em volume e ela é muito significativa”, ressalta Heloise. Bezerras com ganho de peso abaixo dos 601g/dia perdem progressivamente em produtividade. Na faixa de ganho de peso entre 439g/dia e 505g/dia, a variação é de menos 14%. Para bezerras com ganho de peso abaixo dos 439g/dia, a produção despenca: menos 17% quando comparada à faixa mais produtiva.

“Planejar a criação de bezerras com uma visão a longo prazo é um desafio, especialmente porque as bezerras geram despesas por um longo período até que entrem em produção, mas negligenciar os animais que serão as futuras vacas do rebanho pode comprometer o investimento da operação”, afirma.

Fonte: Ascom

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.