[full-banner-1170-x-134-home-geral1]

Anuário DBO 2021- Prosa Quente: Boa chance de se repetir 2020

Wagner Yanaguizawa, analista do Rabobank na área de proteína animal, fala sobre os pontos mais importantes para a carne bovina e outras proteínas

Por Moacir José

Continuidade no crescimento das exportações de carne bovina (5% em faturamento e 2,5% em quantidade) e possibilidade de recuperação na produção de carne (que recuou 3,5% em 2020). Essas são as duas melhores projeções para a pecuária de corte em 2021, apresentadas no último relatório trimestral (25 de novembro) do banco cooperativo holandês Rabobank, referência para quem se interessa e vive do agronegócio.

Presente em 40 países, com mais de 9 milhões de clientes e atuante no Brasil há mais de 30 anos, contando com 17 agências, o Rabobank presta serviços financeiros – de consultoria a empréstimos, gestão de risco e investimentos – para produtores rurais e grandes empresas agroindustriais. Com frequência, seus analistas figuram entre palestrantes em eventos que buscam compreender fatos passados e vislumbrar possibilidades do futuro para os mercados de grãos, carnes e outras commodities (insumos, café; leite, celulose e suco de laranja).

No posto de analista do Rabobank Brasil na área de proteína animal, o engenheiro agrônomo Wagner Hiroshi Yanaguisawa, formado pela Esalq (Escola Superior de Agricultura Luiz Queiroz), da Universidade de São Paulo, já havia atuado em duas importantes instituições – uma delas na própria USP, como analista de mercado do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada, responsável pela equipe de pecuária leiteira, e, depois, como analista de inteligência de mercado da Abiec (Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes), tendo sob sua responsabilidade levantamentos, análise e elaboração dos relatórios periódicos do setor.

Ele explica que os clientes do Rabobank têm acesso, por plataforma digital, a relatórios mensais, em português, e a cada três meses, a um outro, feito em colaboração com o time global do banco, redigido em inglês. No caso da carne bovina, aí se encontram os principais concorrentes do Brasil, além dos principais importadores, inclusive a China. “Esse é o grande enriquecimento: a gente consegue montar um “quebra-cabeças” com as informações, tanto do lado da oferta quanto do da demanda”, diz ele, que qualifica as análises como bastante consistentes, uma vez que os dados podem ser corrigidos ao longo do tempo.

Nesta entrevista – concedida, por telefone, em dezembro, ao jornalista Moacir José, colaborador de DBO e editor deste Anuário –, ele fala sobre os pontos mais importantes para a carne bovina e outras proteínas. Veja, a seguir, os principais trechos.

Para continuar lendo é preciso ser assinante.

Você merece este e todo o rico conteúdo da Revista DBO.
Escolha agora o plano de assinatura que mais lhe convém.

Invista na melhor informação. Uma única dica que você aproveite pagará com folga o valor da assinatura.

Se já é assinante, entre com sua conta

Você precisa adquirir uma de nossas assinaturas.
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no pocket
Pocket
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no skype
Skype
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no pocket
Pocket
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no tumblr
Tumblr
Compartilhar no print
Print

Veja também: