[full-banner-1170-x-134-home-geral1]

Boi 22-22 encurta ciclo produtivo

Fazenda goiana usa novo protocolo nutricional para elevar precocidade do rebanho Nelore PO e produzir gado comercial mais jovem e pesado

Tourinhos Nelore da BSB Agropecuária, em Jussara, GO: entrave da seca superado com protocolo nutricional.

Por Ariosto Mesquita

Submetida a um extenso período seco – de até 180 dias – na região do Vale do Araguaia, a BSB Agropecuária, de Jussara, GO, procurou por bom tempo uma solução para a constante perda de peso de seus animais de recria no período que vai de maio a início de novembro. Com área total de 2.500 hectares, sendo 1.700 ha de pastagens formadas com Marandu, Andropogon, Massai, Zuri e Mombaça, a BSB dedicou-se, durante muitos anos, à produção de tourinhos Nelore com 36 meses idade, vendendo cerca de 150 exemplares/ano.

A partir de 2016/2017, contudo, o sistema produtivo da empresa começou a mudar, com a adoção de um modelo proposto pelo zootecnista Renato Tângari Dib, professor da Universidade Estadual de Goiás (UEG) e consultor técnico da BSB. Na safra 2019/2020, a “fornada” de 200 tourinhos já foi composta por indivíduos jovens (22 a 24 meses) e pesados (620 a 650 kg), perfil de animal que o professor Dib batizou de “Boi 22-22”, ou seja, um macho pesando [email protected] aos 22 meses de idade.

Para alcançar essa meta desafiadora, o consultor dividiu a recria em duas etapas, intensificando o desempenho dos animais na primeira delas, por meio do chamado “sequestro” pós-desmama (machos e fêmeas), ou seja, o fornecimento aos bezerros durante a seca, em confinamento, de uma dieta com qualidade nutricional similar à de um pasto em ótimas condições. Na segunda etapa de recria – já nos meses de chuva –, os animais são direcionados para áreas de pastejo rotacionado.

José Abel e Silva Júnior, gestor da fazenda, conta que sentia necessidade de aumentar a precocidade do gado PO e que o protocolo do “Boi 22-22” desencadeou uma grande mudança na propriedade, não apenas nos machos. “Começamos a desafiar novilhas na recria intensiva e conseguimos aumentar significativamente o índice de prenhez em precocinhas na fazenda. De 500 que desafiávamos antes, passamos, hoje, para 850. E o ciclo de produção dos tourinhos foi reduzido em um terço. Por isso, estimo que a produtividade geral da fazenda tenha aumentado, no mínimo, 35%”, avalia o gestor.

Para continuar lendo é preciso ser assinante.

Você merece este e todo o rico conteúdo da Revista DBO.
Escolha agora o plano de assinatura que mais lhe convém.

Invista na melhor informação. Uma única dica que você aproveite pagará com folga o valor da assinatura.

Se já é assinante, entre com sua conta

Você precisa adquirir uma de nossas assinaturas.
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no pocket
Pocket
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no skype
Skype
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no pocket
Pocket
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no tumblr
Tumblr
Compartilhar no print
Print

Veja também: