Boi gordo: com escalas de abate confortáveis e vendas internas fracas, frigoríficos tiram o pé das compras

Com ausência dos compradores, tendência de alta da arroba é interrompida, abrindo espaço para retrações de preços em algumas praças pecuárias brasileiras

A tendência da alta nos preços do boi gordo perdeu força nesta semana, abrindo espaço para correções negativas nas cotações em algumas praças importantes do País, conforme apurou a equipe de analistas da IHS Markit.

Nas regiões do interior paulista, o valor máximo dos lotes de machos terminados sofreu redução de R$ 5/@ nesta terça-feira, 11 de janeiro, para R$ 340/@, a prazo (veja abaixo as cotações atuais nas principais praças brasileiraS).

“Com o avanço das escalas de abates, boa parte das indústrias do País preferiu sair das compras de boiadas nesta terça-feira”, relata a IHS.

Apesar dos embarques ao exterior continuarem aquecidos, os frigoríficos relatam problemas com escoamento da carne bovina no atacado/varejo devido ao fraco consumo doméstico e aos preços elevados da proteína.

Segundo os analistas, os preços das carnes concorrentes (frango e suínos) registraram novas quedas significativas nesta terça-feira, o que deve prejudicar ainda mais a venda da carne bovina no mercado doméstico.

Segundo a IHS, grande parte dos negócios efetivados no mercado do boi gordo visa atender a demanda externa, que vem se recuperando desde o fim do embargo chinês à carne bovina, em meados de dezembro passado.

Nos primeiros 5 dias úteis de janeiro, os embarques somaram 35,48 mil toneladas de carne bovina in natura, com receita média de US$ 179,27 milhões, segundo dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex).

A média diária embarcada no período foi de 7,09 mil toneladas, com avanço de 32,2% sobre a média exportada em janeiro de 2021, de 5,3 mil toneladas/dia.

“A retomada da China às compras de carne bovina brasileira deve incrementar os resultados das exportações, como já observado na primeira semana do ano”, ressaltam os analistas da IHS.

Atualmente, o chamado boi-China (gado abatido mais jovem, com até 30 meses, recebe prêmios entre R$ 10/@ a R$ 15/@ sobre o valor do animal comum, direcionado principalmente ao mercado interno.

VEJA TAMBÉM | Carne bovina brasileira tem valorização de 13% no mercado internacional

Porém, na avaliação da equipe da IHS, mesmo com o escoamento lento da produção de carne bovina no mercado interno, os preços do boi gordo devem continuar em patamares elevados, balizados pela demanda externa e pela oferta limitada de animais prontos para abate.

Reflexo das chuvas – As fortes chuvas registradas na região norte de Minas Gerais, no Estado de Tocantins, e na região Centro-Oeste do País dificultam o manejo dos animais no pasto, informam os analistas da IHS Markit.

SAIBA MAIS | Rebanho sofre com perda de peso devido à estiagem no Rio Grande do Sul

Segundo a consultoria, o excesso de água acaba estressando os animais, ocasionando perda de peso.

“Há registros de situações de dificuldade de embarque do animal e dispêndio maior com fretes e adaptações logísticas”, relata a IHS.

Cotações máximas desta terça-feira, 11 de janeiro, segundo dados da IHS Markit:

SP-Noroeste:

boi a R$ 340/@ (prazo)
vaca a R$ 315/@ (prazo)

MS-Dourados:

boi a R$ 315/@ (à vista)
vaca a R$ 305/@ (à vista)

MS-C.Grande:

boi a R$ 320/@ (prazo)
vaca a R$ 310/@ (prazo)

MS-Três Lagoas:

boi a R$ 320/@ (prazo)
vaca a R$ 310/@ (prazo)

MT-Cáceres:

boi a R$ 315/@ (prazo)
vaca a R$ 300/@ (prazo)

MT-Tangará:

boi a R$ 315/@ (prazo)
vaca a R$ 300/@ (prazo)

MT-B. Garças:

boi a R$ 317/@ (prazo)
vaca a R$ 298/@ (prazo)

MT-Cuiabá:

boi a R$ 320/@ (à vista)
vaca a R$ 298/@ (à vista)

MT-Colíder:

boi a R$ 313/@ (à vista)
vaca a R$ 298/@ (à vista)

GO-Goiânia:

boi a R$ 320/@ (prazo)
vaca R$ 310/@ (prazo)

GO-Sul:

boi a R$ 320/@ (prazo)
vaca a R$ 310/@ (prazo)

PR-Maringá:

boi a R$ 315/@ (à vista)
vaca a R$ 296/@ (à vista)

MG-Triângulo:

boi a R$ 330/@ (prazo)
vaca a R$ 310/@ (prazo)

MG-B.H.:

boi a R$ 330/@ (prazo)
vaca a R$ 310/@ (prazo)

BA-F. Santana:

boi a R$ 310/@ (à vista)
vaca a R$ 300/@ (à vista)

RS-Porto Alegre:

boi a R$ 333/@ (à vista)
vaca a R$ 315/@ (à vista)

RS-Fronteira:

boi a R$ 333/@ (à vista)
vaca a R$ 315/@ (à vista)

PA-Marabá:

boi a R$ 296/@ (prazo)
vaca a R$ 288/@ (prazo)

PA-Redenção:

boi a R$ 293/@ (prazo)
vaca a R$ 288/@ (prazo)

PA-Paragominas:

boi a R$ 296/@ (prazo)
vaca a R$ 288/@ (prazo)

TO-Araguaína:

boi a R$ 302/@ (prazo)
vaca a R$ 290/@ (prazo)

TO-Gurupi:

boi a R$ 300/@ (à vista)
vaca a R$ 288/@ (à vista)

RO-Cacoal:

boi a R$ 305/@ (à vista)
vaca a R$ 291/@ (à vista)

RJ-Campos:

boi a R$ 315/@ (prazo)
vaca a R$ 296/@ (prazo)

MA-Açailândia:

boi a R$ 296/@ (à vista)
vaca a R$ 275/@ (à vista)

Compartilhe
WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
Email

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.