Boi gordo: Negócios emperram diante da oferta restrita de animais e da baixa demanda interna pela carne bovina

Os preços da arroba seguem inalterados nas principais praças pecuárias, mantidos em patamares elevados; nas praças paulistas, o macho terminado vale R$ 317/@, a prazo, segundo dados da Scot Consultoria

Os negócios no mercado brasileiro do boi gordo continuam em ritmo de conta-gotas, um reflexo do baixo escoamento da carne bovina no mercado doméstico e da enorme escassez de oferta de animais terminados.

Com isso, os preços da arroba seguem inalterados nas principais praças pecuárias, mantidos em patamares elevados.

Nas praças de São Paulo, os preços das três categorias destinadas ao abate ficaram estáveis nesta quinta-feira, 24 de junho, na comparação diária.

O boi, a vaca e novilha são negociados, respectivamente, em R$ 317/@, R$ 294/@ e R$ 310/@ (valores brutos e a prazo), segundo dados da Scot Consultoria.

Os animais destinados à exportação (abatidos mais jovens, com até quatro dentes) valem em torno de R$ 320/@, preço bruto e à vista.

Segundo a IHS Markit, o mercado apresenta atualmente um volume de negócios muito abaixo da média para o período, apesar das unidades de abate operarem com níveis mínimos da capacidade instalada.

A retração do consumo interno na segunda quinzena do mês e a forte restrição de oferta de animais são os principais motivos para essa morosidade.

Há relatos de indústrias que decidiram pular alguns dias de abate, informa a IHS, que alerta para a situação complicada vivenciada sobretudo pelos abatedouros que atendem exclusivamente ao mercado interno.

O consumo doméstico de carne bovina não apresenta consistência e regularidade desde o início da crise econômica no País, situação que vem prejudicando drasticamente as margens dos frigoríficos, alertam os analistas.

VEJA TAMBÉM | DBO Entrevista: Apagão de boiadas e de consumidores apertam frigoríficos

Muitas indústrias tentam driblar os altos custos operacionais optando pela compra de vacas gordas.

Porém, observa a IHS, até as fêmeas são negociadas atualmente a preços bastante elevados – em São Paulo, recebe um valor máximo na negociação com frigoríficos em torno de R$ 300/@, a prazo, de acordo com dados levantados pela consultoria.

Nesse cenário, o setor pecuário se encontra em compasso de espera.

“Enquanto não ocorrer uma reação mais consistente do consumo doméstico, essa baixa liquidez do mercado persistirá”, aposta a IHS Markit.

No mercado atacadista, a carcaça de vaca casada apresentou redução de R$ 0,30/Kg nesta quinta-feira, enquanto os preços dos demais cortes bovinos permaneceram estáveis, informa a IHS.

A demanda pela proteína bovina segue bastante fraca e irregular, apesar das recentes quedas de preços dos cortes, ressalta a consultoria.

Cotações máximas desta quinta-feira, 24 de junho, segundo dados da IHS Markit:

SP-Noroeste:

boi a R$ 322/@ (prazo)
vaca a R$ 300/@ (prazo)

MS-Dourados:

boi a R$ 309/@ (à vista)
vaca a R$ [email protected] (à vista)

MS-C.Grande:

boi a R$ 311/@ (prazo)
vaca a R$ 296/@ (prazo)

MS-Três Lagoas:

boi a R$ 312/@ (prazo)
vaca a R$ 288/@ (prazo)

MT-Cáceres:

boi a R$ 305/@ (prazo)
vaca a R$ 295/@ (prazo)

MT-Tangará:

boi a R$ 308/@ (prazo)
vaca a R$ 297/@ (prazo)

MT-B. Garças:

boi a R$ 304/@ (prazo)
vaca a R$ 294/@ (prazo)

MT-Cuiabá:

boi a R$ 308/@ (à vista)
vaca a R$ 294/@ (à vista)

MT-Colíder:

boi a R$ 305/@ (à vista)
vaca a R$ 293/@ (à vista)

GO-Goiânia:

boi a R$ 305/@ (prazo)
vaca R$ 291/@ (prazo)

GO-Sul:

boi a R$ 305/@ (prazo)
vaca a R$ 293/@ (prazo)

PR-Maringá:

boi a R$ 310/@ (à vista)
vaca a R$ 300/@ (à vista)

MG-Triângulo:

boi a R$ 310/@ (prazo)
vaca a R$ 290/@ (prazo)

MG-B.H.:

boi a R$ 308/@ (prazo)
vaca a R$ 286/@ (prazo)

BA-F. Santana:

boi a R$ 292/@ (à vista)
vaca a R$ 282/@ (à vista)

RS-Porto Alegre:

boi a R$ 331/@ (à vista)
vaca a R$ 310/@ (à vista)

RS-Fronteira:

boi a R$ 331/@ (à vista)
vaca a R$ 310/@ (à vista)

PA-Marabá:

boi a R$ 294/@ (prazo)
vaca a R$ 288/@ (prazo)

PA-Redenção:

boi a R$ 293/@ (prazo)
vaca a R$ 286/@ (prazo)

PA-Paragominas:

boi a R$ 296/@ (prazo)
vaca a R$ 281/@ (prazo)

TO-Araguaína:

boi a R$ [email protected] (prazo)
vaca a R$ 289/@ (prazo)

TO-Gurupi:

boi a R$ 296/@ (à vista)
vaca a R$ 287/@ (à vista)

RO-Cacoal:

boi a R$ 300/@ (à vista)
vaca a R$ 291/@ (à vista)

RJ-Campos:

boi a R$ 294/@ (prazo)
vaca a R$ 278/@ (prazo)

MA-Açailândia:

boi a R$ [email protected] (à vista)
vaca a R$ 268/@ (à vista)

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

A aposta do Grupo Webler na cria

VEJA os destaques da edição de julho da Revista DBO; na capa, o Grupo Webler, forte em agricultura e pecuária, está dobrando a aposta na intensificação da cria em sua propriedade em Sapezal, no noroeste de Mato Grosso

A aposta do Grupo Webler na cria

VEJA os destaques da edição de julho da Revista DBO; na capa, o Grupo Webler, forte em agricultura e pecuária, está dobrando a aposta na intensificação da cria em sua propriedade em Sapezal, no noroeste de Mato Grosso

Publieditorial

Aprenda a produzir mais e melhor

O avanço da profissionalização na pecuária passa, necessariamente, pelo aprimoramento na gestão de equipes, assim como os resultados positivos

Aprenda a produzir mais e melhor

O avanço da profissionalização na pecuária passa, necessariamente, pelo aprimoramento na gestão de equipes, assim como os resultados positivos

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.