Boi gordo: semana terminada como começou, ou seja, com baixo volume de negócios e preços estáveis

Analistas apostam em mercado com tendência de baixa no curto prazo, motivada pela maior oferta de boiadas a partir de maio, mês da campanha de vacinação contra a febre aftosa

Nesta sexta-feira de pós-feriado (22/4), o mercado brasileiro do boi gordo foi marcado por mais um dia de poucas negociações, informam as consultorias que acompanham diariamente o setor pecuário.

Segundo a Scot Consultoria, nas praças de São Paulo, as indústrias frigoríficas ficaram praticamente fora das compras de boiadas nesta sexta-feira.

Dessa maneira, as cotações dos animais terminados seguiram estáveis em relação aos preços da quarta-feira (20/4).

O boi gordo é negociado por R$ 315/@ nas praças paulistas, enquanto a vaca e novilha gordas valem, respectivamente,  R$ 279/@ R$ 312/@ (preços brutos e a prazo), de acordo com os dados apurados pela Scot.

Os machos com padrão exportação, o chamado “boi-China (abatidos mais jovens, geralmente com idade abaixo dos 30 meses), são negociados por até R$ 325/@ no interior de São Paulo, acrescenta a consultoria.

Segundo os analistas da IHS Markit, a maior preocupação do mercado segue em torno do fluxo das exportações brasileiras de carne bovina.

A IHS Markit projeta que o país deve exportar um bom volume de carne bovina in natura neste mês de abril – em torno de 170 mil toneladas.

Porém, os analistas levantam hipóteses de embarques mais fracos nos meses vindouros, devido aos problemas gerados pela China, o maior cliente mundial da carne brasileira.

Recentemente, relembra a IHS, o governo chinês suspendeu a importação da proteína brasileira de unidades processadoras de três frigoríficos nacionais.

Além disso, a China ainda mantém um rígido lockdown , sobretudo em Xangai, devido ao retorno das contaminações por Covid-19 (estima-se que 25 milhões de moradores dessa cidade estejam praticamente impedidos de sair de suas casas).

“As interrupções das atividades portuárias na China já geram atrasos nos desembarques, dificultando a operação logística dos países fornecedores”, observam os analistas.

Como o mercado doméstico brasileiro também segue em ritmo de conta-gotas, devido à atual crise financeira no País (inflação em disparada e alta taxa de desemprego), os preços do boi gordo tendem a seguir tendência de baixa, acrescentam as consultorias.

Neste último dia da semana, as cotações dos animais terminados, tanto machos quanto fêmeas, fecharam em queda em algumas importantes praças do País.

Foi o caso das regiões situadas no Mato Grosso, responsável pelo maior rebanho de bovinos de corte do País (veja abaixo as cotações atuais da arroba nas principais praças pecuárias brasileiras).

Na maioria das praças mato-grossenses, os preços do boi gordo recuaram R$ 5/@ neste sexta-feira.

Na avaliação da IHS, o início da campanha de vacinação contra febre aftosa, a partir de maio, deve resultar em aumento de oferta de boiadas gordas em algumas regiões, o que pode fortalecer ainda mais o atual movimento de baixia da arroba.

Cotações máximas de machos e fêmeas desta sexta-feira, 22 de abril
(Fonte: IHS Markit)

SP-Noroeste:

boi a R$ 332/@ (prazo)
vaca a R$ 285/@ (prazo)

MS-Dourados:

boi a R$ 300/@ (à vista)
vaca a R$ 280/@ (à vista)

MS-C.Grande:

boi a R$ 305/@ (prazo)
vaca a R$ 280/@ (prazo)

MS-Três Lagoas:

boi a R$ 305/@ (prazo)
vaca a R$ 280/@ (prazo)

MT-Cáceres:

boi a R$ 287/@ (prazo)
vaca a R$ 275/@ (prazo)

MT-Tangará:

boi a R$ 287/@ (prazo)
vaca a R$ 275/@ (prazo)

MT-B. Garças:

boi a R$ 285/@ (prazo)
vaca a R$ 275/@ (prazo)

MT-Cuiabá:

boi a R$ 285/@ (à vista)
vaca a R$ 275/@ (à vista)

MT-Colíder:

boi a R$ 287/@ (à vista)
vaca a R$ 270/@ (à vista)

GO-Goiânia:

boi a R$ 300/@ (prazo)
vaca R$ 275/@ (prazo)

GO-Sul:

boi a R$ 300/@ (prazo)
vaca a R$ 280/@ (prazo)

PR-Maringá:

boi a R$ 305/@ (à vista)
vaca a R$ 280/@ (à vista)

MG-Triângulo:

boi a R$ 300/@ (prazo)
vaca a R$ 280/@ (prazo)

MG-B.H.:

boi a R$ 285/@ (prazo)
vaca a R$ 260/@ (prazo)

BA-F. Santana:

boi a R$ 285/@ (à vista)

vaca a R$ 275/@ (à vista)

RS-Porto Alegre:

boi a R$ 340/@ (à vista)
vaca a R$ 310/@ (à vista)

RS-Fronteira:

boi a R$ 340/@ (à vista)
vaca a R$ 310/@ (à vista)

PA-Marabá:

boi a R$ 282/@ (prazo)
vaca a R$ 272/@ (prazo)

PA-Redenção:

boi a R$ 280/@ (prazo)
vaca a R$ 272/@ (prazo)

PA-Paragominas:

boi a R$ 290/@ (prazo)
vaca a R$ 285/@ (prazo)

TO-Araguaína:

boi a R$ 280/@ (prazo)
vaca a R$ 270/@ (prazo)

TO-Gurupi:

boi a R$ 285/@ (à vista)
vaca a R$ 265/@ (à vista)

RO-Cacoal:

boi a R$ 265/@ (à vista)
vaca a R$ 255/@ (à vista)

RJ-Campos:

boi a R$ 295/@ (prazo)
vaca a R$ 280/@ (prazo)

MA-Açailândia:

boi a R$ 280/@ (à vista)
vaca a R$ 260/@ (à vista)

Compartilhe
WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
Email

Revista DBO | Na vanguarda ambiental

VEJA mais destaques da edição de julho; na capa, Liga do Araguaia entra no “mercado verde”. Alguns produtores já recebem de R$ 250 a R$ 370/ha/ano para manter excedente florestal de pé.

Revista DBO | Na vanguarda ambiental

VEJA mais destaques da edição de julho; na capa, Liga do Araguaia entra no “mercado verde”. Alguns produtores já recebem de R$ 250 a R$ 370/ha/ano para manter excedente florestal de pé.

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.