Bois e novilhas de Mato Grosso têm carcaças mais pesadas

Dados do IMEA mostram que recuo na produção de carne está mais atrelado à redução da oferta do que à produtividade

Embora a produção de carne bovina de Mato Grosso tenha registrado queda no primeiro trimestre – confirme dados recentes divulgados pelo IBGE –, o rendimento médio dos bovinos abatidos no período teve crescimento. É o que mostram os dados divulgados pelo Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária (Imea), com sede em Cuiabá (MT).

Continue a leitura após o anúncio

No total dos três primeiros meses do ano foram produzidas 326,68 mil toneladas de carne bovina no Mato Grosso, o que representou queda de 6% ante o resultado obtido no primeiro trimestre de 2019, quando a quantidade produzida foi de 347,97 mil toneladas, de acordo com números do IBGE.

Porém, diz o Imea, o mesmo movimento não foi observado no rendimento da média das carcaças, pois houve um incremento de 3,1% no comparativo anual, registrando o patamar de 17,70 @. “Isso significa que o recuo na produção de carne está muito mais atrelado à redução de oferta de animais do que à produtividade”, observa a equipe de analistas do Imea.

A demanda chinesa tem sido um fator relevante para a configuração deste cenário, uma vez que a exigência de animais mais jovens e pesados tem impulsionado a produtividade no setor, segundo ao instituto.

Quando se analisa por categoria, no comparativo anual (trimestre versus trimestre), o incremento de rendimento de bois foi de 1,7% e de novilhas, de 2,4%, ficando em 20,[email protected] e 13,[email protected], respectivamente.

 

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.

Conteúdo original Revista DBO