Tempo de emprenhar a vacada, por Rafael Caputo

IATF ou Monta Natural? Não importa a decisão que o produtor tomar, a suplementação é um item indispensável no manejo da vacada

Por Rafael Francisco Vilatoro Aparício Caputo

O período de estação de monta de uma fazenda de cria é um dos mais importantes de todo o ano e deve receber atenção especial de toda a equipe que gere a fazenda, pois é nesse período que vai se determinar a quantidade e qualidade da principal fonte de receita de seu fluxo de caixa: os bezerros. A estação de monta de uma fazenda que produz com eficiência deve ser planejada, no mínimo, um ano antes do seu acontecimento, pois é uma etapa delicada e exige muito empenho da equipe (capatazes, vaqueiros, veterinários, inseminadores,  etc..). Ela deve ser planejada antes para que os animais cheguem próximo a época das chuvas com bons escores corporais, boa reserva de macro e micro minerais e sanidade.

De modo geral, o pecuarista deve se atentar à organização da estação, procurando saber quantas fêmeas irão entrar em reprodução pela primeira vez, quantas primíparas serão expostas novamente a IATF, o número de pluríparas, qual o protocolo de IATF que cada uma das categorias serão submetidas e um dos pontos mais importantes e determinantes na fase de reprodução, qual o manejo nutricional que cada uma das categorias irá receber antes, durante e depois da estação. Deve-se ter um bom planejamento forrageiro.

Sem pasto de qualidade não há uma boa estação de monta. As diferentes categorias têm diferentes requerimentos nutricionais. Qualquer falha na suplementação desses animais pode comprometer o resultado da atividade.

Feito o planejamento estratégico da estação, o produtor precisar optar entre Estação de Monta Natural ou IATF. A grande diferença entre os dois modos de sistema produtivo é que na monta natural, o gestor da fazenda irá definir um período para estação de monta e irá soltar os touros junto com a vacada. Durante esse período ele poderá realizar alguns diagnósticos de gestação pontuais e um final, quando o período for encerrado, ou somente um diagnóstico final no encerramento da estação.

Na estação de monta que integra a IATF, os processos são diferentes: os animais são apartados em lotes com diferentes pesos, categorias e escore corporal. Esses lotes são submetidos a um protocolo de sincronização de cio e todas as fêmeas do mesmo grupo são inseminadas no mesmo dia. Após a IATF os animais podem ser ressincronizados ou, também, expostos a monta natural com touros de repasse. Independentemente se a fazenda irá realizar uma estação de monta com manejos de IATF ou monta natural, os cuidados com as diferentes categorias devem ser os mesmos. As fêmeas devem ter boas condições nutricionais, assim como os touros também, no caso de monta natural. A sanidade, vermifugação, vacinas e controle de ectoparasitas devem estar em dia.

Além disso é importante que todos os animais que irão se reproduzir recebam uma suplementação mineral adequada. Nesse período os animais devem ingerir diariamente boas quantidades de macro minerais e principalmente micro minerais como Selênio, Zinco, Cobre e Manganês, essenciais em diversas funções fisiológicas da reprodução e do sistema imune do animal. Sempre é bom ressaltar que o estresse dos animais interfere nos resultados da reprodução. Em uma fazenda que realiza IATF é muito importante que o rebanho tenha um bom aporte desses nutrientes para garantir bons resultados.

Os indicadores produtivos referentes a reprodução e fertilidade de uma fazenda são os números que irão determinar se o resultado da atividade pecuária será positivo ou não. Esses indicadores dependem de uma série de fatores como: sanidade, manejo, potencial genético, nutrição, entre outros. Dos fatores citados, a nutrição ocupa um papel limitante em relação ao bom desempenho reprodutivo do rebanho. Sendo assim, a boa condição corporal das vacas que irá determinar como serão esses indicadores.

As exigências nutricionais de uma vaca podem ser divididos em manutenção, lactação, ganho de peso e, por último, reprodução, portanto se uma vaca não for bem suplementada e seus requerimentos nutricionais de energia, proteína, macro e micro minerais não forem atendidos o primeiro reflexo é a diminuição da atividade reprodutiva. Pode-se afirmar, então, que a suplementação mineral específica para cada categoria durante o período reprodutivo é de extrema importância para obtenção de bons resultados.

Como já foi citado, as matrizes que irão participar de uma estação de monta devem ter boas condições corporais e de sanidade para enfrentar essa fase. Na maioria das regiões do país a estação de monta se inicia na transição da seca para o período mais chuvoso do ano, quando há maior oferta de pastagens. Portanto, quando as vacas são desafiadas a emprenhar em uma nova estação, elas  acabaram de passar por um período adverso, onde há escassez de chuva e, consequentemente, quantidade e qualidade das forragens que diminuem muito.

Na estação mais seca do ano as brachiarias podem perder até a metade do teôr de proteínas que apresentam no período de verão. Além de terem, também, menos energia, minerais e serem menos atrativas para o gado. Diante disso é imprescindível que as fêmeas sejam suplementadas da maneira correta durante a seca pois, quando se inicia a estação chuvosa o rebanho precisa apresentar boas reservas nutricionais para se reproduzir.

O manejo nutricional não irá depender somente das diferentes fases da gestação; irá depender, também, da época do ano e da oferta de forragem que o animal tem a sua disposição. Se a fazenda tiver condições de executar um planejamento nutricional direcionado para cada categoria e para cada fase de gestação, os resultados no final do ciclo serão superiores. A gestação de uma vaca pode ser dividida em três terços: inicial, médio e final.

Em cada uma das fases o requerimento energético e de minerais é diferente. No terço final da gestação, por exemplo, é o momento em que o feto desenvolve-se com maior velocidade, portanto, a matriz necessita de um maior aporte de macro minerais como fósforo, cálcio e magnésio para promover um bom crescimento estrutural (tecido ósseo) do bezerro que está em desenvolvimento.

Uma maneira eficiente de suplementar as vacas no período mais seco do ano é o fornecimento de suplementos minerais proteinados. Existem diferentes tipos de formulações dessa classe de suplementos. A indicação de cada uma delas depende do alinhamento de algumas informações da fazenda como, por exemplo, a oferta de forragem que será disponibilizada aos animais, categoria e finalidade de cada lote. Um ponto importante a ser citado é que os suplementos minerais proteinados para o período de seca funcionam muito bem e deixam bons resultados na propriedade desde que haja uma boa oferta de forragem, mesmo que seca. A microbiota ruminal depende de capim para fornecer os nutrientes ao ruminante.

Mas, e os touros?

Os touros que iniciarão na próxima estação de monta devem ter uma suplementação específica, que tenha a finalidade de melhorar a qualidade do sêmen produzido. O suplemento mineral utilizado para essa categoria, além de todos os minerais necessários (P, Na, S, Ca. Mg etc.) deve conter altos níveis de micro minerais na sua formulação. Esses componentes da dieta são responsáveis pela qualidade do sêmen e virilidade do animal na estação de monta. Dentre os micro minerais os que tem maior importância na reprodução são o Zinco, Selênio e Manganês. Esses minerais, além de contribuir ativamente com o sistema imunológico dos animais, também são incumbidos de participar da formação da genitália do macho, produção de espermatozóides funcionais, aumento da motilidade do sêmen, multiplicação das células testiculares,  que são responsáveis pela produção de testosterona, que fazem parte dos processos metabólicos endócrinos, entre outras funções primordiais para a reprodução.

A vaca em lactação tem uma enorme demanda de nutrientes, principalmente no período pós-parto. O leite é rico em nutrientes como cálcio, fósforo, proteína e lipídios. Todos esses componentes são reciclados e metabolizados no organismo e, posteriormente, direcionados para o leite. Se o animal não estiver recebendo uma dieta completa e balanceada, a vaca começará a mobilizar esses nutrientes das reservas do organismo, podendo assim, causar algum tipo de disfunção metabólica, como, por exemplo, a hipocalcemia. Além disso, a produção de leite é comprometida a partir do momento em que há qualquer déficit mineral do animal e a reprodução não ocorrerá. A vaca, gradualmente, vai diminuindo a sua reprodução e isso causa um impacto negativo para a cadeia produtiva.

Quanto aos bezerros, também é muito importante suplementá-los. Os animais podem começar a receber suplemento mineral no cocho desde a estação de nascimento para que já aprendam a visitar o cocho, junto de suas mães, desde pequenos. Um bezerro se torna ruminante, ou seja, tem um rúmen funcional a partir da décima segunda semana de vida. Desse momento em diante pode-se considerar que ele não se alimenta mais somente de leite, mas também degrada fibras vegetais.

Com o fornecimento de suplemento mineral em um sistema de creep-feeding, o processo de desenvolvimento do rúmen é antecipado. Isso faz com que o bezerro se torne um ruminante eficiente antes daqueles animais que não recebem suplementação. Alguns componentes presentes no suplemento mineral como sais de sódio e carboidratos que geram ácidos graxo voláteis, fazem com que ocorra um desenvolvimento efetivo das papilas ruminais e isso torna o processo digestivo do animal mais eficiente. Dessa maneira, os animais que recebem suplementação podem ser desmamados com menos tempo e com maior peso ao desmame, o que adiantará o seu abate, além de sofrerem menos com a separação das mães. Realizando esse tipo de manejo as vacas têm mais tempo para reestabelecerem as suas reservas de nutrientes e se reproduzirem novamente.

Não existe diferença entre Estação de Monta ou IATF, quando o objetivo é o mesmo, isto é, a reprodução. Se o objetivo é produzir touros e matrizes ambos devem receber uma suplementação específica para a reprodução. Um suplemento que atenda todos os requerimentos minerais, rico em micro minerais e que também forneça boas condições para a microbiota ruminal. Partindo do princípio de que os animais foram suplementados durante toda a fase de cria, o momento correto para trocar o tipo de suplemento mineral é de, aproximadamente, trinta dias após o desmame. Na fase de recria os animais ganham muito peso, pois é um momento de crescimento. Nesse período são construídos tecido muscular, tecido ósseo e os diferentes sistemas do organismo são desenvolvidos, portanto, precisam de um bom suporte de energia, proteína e minerais para que o animal expresse todo o seu potencial genético.

(*)Rafael Francisco Vilatoro Aparicio Caputo é médico veterinário graduado na Faculdade de Medicina Veterinária de Araçatuba – UNESP -SP e Membro do Departamento Técnico de Nutrição Animal da Unidade Cuiabá. Rafael também é produtor rural.

2742961

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no pocket
Pocket
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no skype
Skype
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no pocket
Pocket

Sobre o autor

Notícias