BRF reverte prejuízo e anota lucro líquido de R$ 22 milhões no 1º trimestre

A receita líquida proveniente das vendas no período somou R$ 10,592 bilhões

A BRF registrou lucro líquido de R$ 22 milhões no primeiro trimestre de 2021, revertendo o prejuízo de R$ 38 milhões reportado no primeiro trimestre do ano passado, informou a companhia. A receita líquida proveniente das vendas no período somou R$ 10,592 bilhões, aumento de 18,4% sobre os R$ 8,949 bilhões de igual trimestre de 2020.

O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado da BRF nos primeiros três meses do ano alcançou R$ 1,234 bilhão, queda de 1,4% ante o R$ 1,251 bilhão do mesmo intervalo do ano anterior. A margem do Ebitda ajustado foi de 11,6%, ante 14% na mesma base comparativa. A empresa também apresentou uma comparação do Ebitda ajustado excluindo os efeitos tributários. Desta forma, houve recuo de 4,4% na comparação interanual, passando de R$ 1,251 bilhão no primeiro trimestre de 2020 para R$ 1,196 bilhão nos mesmos meses de 2021.

Em comunicado enviado à imprensa, a BRF informou que a dívida líquida ficou em R$ 15,318 bilhões, R$ 270 milhões a menos que o reportado de janeiro a março de 2020. Com isso e diante dos efeitos negativos da variação cambial, a companhia encerrou o trimestre com o índice de alavancagem (relação entre dívida líquida e Ebitda) em 2,96 vezes, contra 2,68 vezes no mesmo período do ano anterior.

Nos primeiros três meses do ano, a BRF comercializou 1,070 milhão de toneladas de produtos, uma queda de 1,6% em comparação com as 1,087 milhão de toneladas de um ano antes. A empresa disse ainda que gerou R$ 1,4 bilhão em caixa operacional no período e que o fluxo de caixa livre chegou a R$ 707 milhões.

A BRF registrou receita operacional líquida no segmento Brasil de R$ 5,393 bilhões, aumento de 15,1% em comparação com de igual intervalo do ano passado. O volume comercializado de carne de aves e suínos in natura e produtos processados somou 535 mil toneladas, 5,4% a menos na mesma base comparativa, em razão da desaceleração da demanda, conforme a empresa. O que compensou parcialmente a retração no volume foi o aumento de 21,6% nos preços médios dos produtos no trimestre, refletindo o movimento de ampliação do mix de produtos industrializados da empresa.

SAIBA MAIS:
+JBS reverte prejuízo e tem lucro líquido de R$ 2 bilhões no 1° trimestre de 2021 
+Exportação de carne suína em abril cresce 35% em volume e 40% em receita

Já no segmento internacional, a receita líquida foi de R$ 4,821 bilhões, alta de 20,1% sobre o período encerrado em 31 de março de 2020. O volume de vendas chegou a 466 mil toneladas, aumento de 1,7% em relação às 458 mil toneladas comercializadas um ano antes. O preço médio dos produtos em reais cresceu 18%, para R$ 10,35 o quilo. O principal destaque é a operação para a Ásia, cuja demanda continua aquecida para aves e suínos. A receita proveniente do mercado asiático aumentou 9,6% no primeiro trimestre do ano, para R$ 1,453 bilhão.

As exportações diretas da BRF somaram 156 mil toneladas, alta de 12,2%, com receita de R$ 1,276 bilhão, aumento de 29,1%, na comparação anual. Segundo a empresa, isso é reflexo do avanço de 15% dos preços médios em reais, sustentados pela desvalorização cambial. Além disso, a demanda externa segue positiva, especialmente com a reabertura parcial do canal de food service em diversos mercados, como a Europa, por exemplo.

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

O novo horizonte da silagem de cana

VEJA os destaques da edição de junho e o Especial Suplementação; na capa, a silagem de cana retorna com mais qualidade aos confinamentos como alternativa vantajosa em tempo de milho e subprodutos caros

O novo horizonte da silagem de cana

VEJA os destaques da edição de junho e o Especial Suplementação; na capa, a silagem de cana retorna com mais qualidade aos confinamentos como alternativa vantajosa em tempo de milho e subprodutos caros

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.