Brics tem fome de carne

Neste ano, os parceiros do Brasil já importaram US$ 1,8 bilhão em produtos bovinos. Mas o País pode ganhar ainda mais
Foto de família com chefes de estado do Brics: Xi Jinping, Vladimir Putin, Jair Bolsonaro, Narendra Modi, e Cyril Ramaphosa. (Foto: Valter Campanato/Agência Brasil)

Nos últimos dois dias, os países que formam o Brics se reuniram em Brasília. Na agenda dos presidentes da China, Xi Jinping, da Rússia, Vladimir Putin, da Índia, Narendra Modi, da África do Sul, Cyril Ramaphosa, e do anfitrião Jair Bolsonaro, estavam temas relacionados às políticas para aumentar as parcerias comerciais entre os países-membros do Brics. Entre elas protecionismo, barreiras comerciais, multilateralismo. “Queremos abrir a nossa economia, aumentar as exportações e as importações”, disse o presidente chinês em seu discurso.

No ano passado, os países do Brics importaram 84,3 milhões de toneladas de produtos do agronegócio brasileiro por US$ 38,4 bilhões, de um total geral de US$ 101,2 bilhões. Neste ano, até outubro, os dados da Secretaria de Comércio Exterior mostram que já foram vendidas 63,7 milhões de toneladas, por US$ 27,7 bilhões.

Continue a leitura após o anúncio

No mercado exportador de carnes, a bovina já bateu recorde de vendas neste ano. Em valores foram US$ 1,8 bilhão, contabilizadas até outubro. Há uma década, o Brasil faturava com esses países apenas US$ 956,2 milhões.

O mesmo vale se aves e suínos entrarem na conta. O mercado de carnes tem demanda crescente e um futuro promissor. Juntando os três segmentos, todos têm forte potencial de aumento de demanda e representam uma parte importante das exportações brasileiras. Não por acaso, nos últimos 10 anos as vendas de carnes aos países do Brics aumentaram de forma constante. Passaram de US$ 1,8 bilhão, em 2009, para US$ 3,5 bilhões em 2019, também o maior valor da história.

No caso da carne bovina, o grande destaque é a China. No ano passado, o país asiático comprou 322,4 mil toneladas por US$ 1,4 bilhão. Em 2019, esse valor já subiu para US$ 1,6 bilhão. Para Marcos Jank, professor sênior de agronegócio global do Insper e que esteve no Summit Agronegócio 2019, promovido pelo jornal O Estado de São Paulo nesta semana, além da China o Brasil deve apostar em países com potencial de crescimento. Os parceiros do Brics são um dos caminhos. “A Índia e a África têm 3 bilhões de habitantes, que serão 5 bilhões em 2050 e quase 7 bilhões em 2.100”, diz ele.

Confira no Brics Report, elaborado pela DBO, os principais dados do comércio do Brasil com os seus parceiros.

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.

Conteúdo original Revista DBO