Cadê a recuperação econômica?

Atualmente, a demanda é o fator mais importante na precificação do boi gordo no mercado físico e futuro

Esse será a terceira semana seguida cujo assunto principal desse texto gira em torno da demanda (ou no caso, falta dela) pela carne. É incômodo ser repetitivo em um assunto, porém, hoje esse é de longe o fator mais importante que impacta a precificação do boi gordo no mercado físico e futuro. A indústria segue firme na decisão de não subir os preços e o pecuarista segue firme na decisão de não entregar a preços mais baixos, de modo que os preços seguem com oscilações mínimas na praça paulista.

No mercado futuro, a oscilação de preços de toda a curva também foi mínima e os preços seguem balizados na safra entre R$145,00/@ a R$144,00/@ de fevereiro a maio e ao redor de R$151,00/@ para outubro na entressafra. Os volumes negociados ainda são totalmente irrelevantes e a impressão que dá é que ninguém tem convicção nenhuma para montar posição no cenário atual.

O principal fator que pode impactar a melhora da demanda por carne no mercado interno de forma mais sustentável é a retomada do crescimento econômico de forma mais vigorosa, e posteriormente a queda do desemprego. Atualmente há sinais que apontam nessa direção, porém, os dados divulgados na última PNAD (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) divulgada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) ainda mostram uma retomada bastante tímida do nível de emprego, com a taxa de ocupação subindo, desemprego caindo abaixo do ano anterior pela primeira vez em três anos e massa de rendimentos avançando 3,6% ante um ano atrás. A taxa de desocupação caiu para 11,8% no trimestre passado, ficando menor a igual trimestre de um ano atrás pela primeira vez em mais de três anos (desde ago-out./14).

São dados ainda tímidos, porém somando-se isso a outros indicadores da atividade econômica, como venda de papel ondulado, índice de confiança de serviços e utilização da capacidade instalada (figuras 1, 2 e 3), é razoável imaginar que existe uma retomada econômica encaminhada. Resta saber quanto tempo essa retomada levará para causar efeitos no bolso da população e ter reflexos positivos no consumo de carne no mercado interno. A indústria e os pecuaristas aguardam ansiosamente por isso.

2742961

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no pocket
Pocket
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no skype
Skype
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no pocket
Pocket

Sobre o autor

Notícias

Bom ganho de peso das bezerras antes da desmama favorece prenhez precoce

Novas descobertas na precocidade sexual mostram que a DEP de Probabilidade de Parto Precoce deve encabeçar lista de prioridades na seleção de fêmeas e também a nutrição na fase pré-desmama

Para continuar lendo é preciso ser assinante.

Você merece este e todo o rico conteúdo da Revista DBO.
Escolha agora o plano de assinatura que mais lhe convém.

Invista na melhor informação. Uma única dica que você aproveite pagará com folga o valor da assinatura.

Se já é assinante, entre com sua conta

Você precisa adquirir uma de nossas assinaturas.