Café com frio

Especialista dá dicas de como evitar problemas com o frio no cafezal, cultura que gosta de “cabeça quente e pés frios”

Já estamos em junho e o frio já deu pequeno sinal. Os próximos dois meses sempre são comumente os mais críticos quanto ao frio. É só esperar para ver.

Esperar só não basta, é necessário agir para atenuar os efeitos negativos de eventual queda brusca de temperatura. Os cafeeiros, na sua maior parte, vêm sendo cultivados a céu aberto e ultimamente muitos foram plantados em regiões mais baixas, onde, nos últimos anos não ocorreu geada. Perdeu-se o medo do frio.

Como prevenção e água benta não fazem mal a ninguém vai abaixo sugestão para amenizar, até mesmo controlar, eventual abaixamento de temperatura, que não se sabe quando vem, de onde vem, nem para onde vai.

Para mudas recém-plantadas – manter o solo ao redor delas sempre no limpo. Chegar terra junto aos troncos cobrindo-os cerca de 20 a 25 cm, só desfazendo essa cobertura quando da entrada das primeiras chuvas da primavera.

Para plantas com mais de 1 ano de desenvolvimento – a cada 30-40 dias, entrar com pulverização foliar contendo melaço de cana líquido na concentração de 2% da calda, aminoácidos (TerraSorb Complex) – 1 litro por ha e silicato de potássio (Sifol) também 1 litro por ha, por aplicação. Tais produtos contribuem para reduzir o metabolismo das plantas e abaixar o ponto de congelamento das células.

As providências sugeridas ajudam o cafezal a resistir melhor aos sintomas do frio.

*As opiniões expressas nos artigos não necessariamente refletem a posição do Portal DBO.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on skype
Skype
Share on email
Email
Share on telegram
Telegram
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on email
Email
Share on pocket
Pocket

Veja também:

Um panorama da pecuária do norte do MT

Última etapa do “Acrimat em Ação 2019”, acompanhada por DBO, visitou municípios do norte do MT, onde os pecuaristas lidam com estradas ruins e insumos caríssimos. Em alguns locais, o valor do calcário é quase proibitivo. 

Você precisa adquirir uma de nossas assinaturas.

Sobre o autor

Menu

Invista no básico bem feito

Pecuaristas, mesmo tecnificados, ainda pecam no manejo por não fazer planejamento, estabelecer metas e criar calendário de ações.

Café com frio

Especialista dá dicas de como evitar problemas com o frio no cafezal, cultura que gosta de “cabeça quente e pés frios”

Fechar Menu
×
×

Carrinho