Café teve 2º maior volume exportado da história em julho

Foram embarcadas três milhões de sacas de café no mês passado
Foto: Berenice Kauffmann

As exportações de café do Brasil bateram o segundo recorde histórico para o mês de julho em volume já registrado, mesmo com a pandemia de Covid-19. Foram embarcadas três milhões de sacas de café, entre café verde, solúvel e torrado e moído.

A receita dos embarques de julho foi de US$ 356,8 milhões, o equivalente a R$ 1,9 bilhão pela cotação atual, um aumento de 22,3% em reais em relação a julho de 2019. O preço médio foi de US$ 117,4 por saca de café. Os dados são do Conselho dos Exportadores de Café do Brasil (Cecafé).

Continue a leitura após o anúncio

O café arábica correspondeu a 74,4% do volume total dos embarques. O café conilon (robusta) teve participação de 14,7%, enquanto café solúvel representou 10,9% das exportações.

Os volumes de exportação registrados em julho mostram que iniciamos bem o ano cafeeiro, com uma boa entrada do café brasileiro no mercado e bons resultados em reais. Apesar do cenário de crise gerado pela pandemia, os resultados indicam que o agronegócio café irá se consolidar nos próximos meses com qualidade e sustentabilidade e, principalmente, tomando os cuidados necessários em relação aos protocolos privados, desde a colheita, passando pelos armazéns, transporte e chegando com segurança ao consumidor. Temos informações dos estados produtores de que a colheita está em um ritmo muito bom, tanto em volume quanto em qualidade, o que sinaliza uma boa performance para o ano cafeeiro”, disse em nota o presidente do Cecafé, Nelson Carvalhaes.

No acumulado do ano, as exportações de café totalizaram 22,9 milhões de sacas de janeiro a julho. Este volume também representa o segundo recorde histórico de exportações brasileiras de café no período.

A receita dos embarques até o sétimo mês do ano foi de US$ 3 bilhões (R$ 14,7 bilhões pela cotação atual), uma alta de 29% em relação ao período anterior. O preço médio foi de US$ 128,9 por saca, com crescimento de 3,2%.

Os principais destinos do café brasileiro entre janeiro e julho foram os Estados Unidos, a Alemanha, a Itália, a Bélgica, o Japão, a Rússia e a Turquia. Entre continentes e blocos econômicos, se destacaram os países da América do Sul, com crescimento de 21,1%; a África, com alta de 49,8%; a América Central, com 94,8% de aumento; e os países do BRICS, com 24,5%.

O bloco de países árabes comprou 978,3 mil sacas de janeiro a julho, totalizando US$ 104,8 milhões, uma queda de 1,6% em relação ao mesmo período de 2019.

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Revista DBO – Saindo na frente

Confira a edição de setembro, que traz o “Especial de Genética e Reprodução” com 7 reportagens exclusivas, além de outras 21 reportagens e análises sobre o mundo da pecuária

Revista DBO – Saindo na frente

Confira a edição de setembro, que traz o “Especial de Genética e Reprodução” com 7 reportagens exclusivas, além de outras 21 reportagens e análises sobre o mundo da pecuária

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.

Conteúdo original Revista DBO