Cargill amplia presença no mercado de suplementação animal

Produto lançado pela empresa é o primeiro a possuir formulação personalizada e dispensa necessidade de silos de armazenagem
Foto: Divulgação/Mauro Marques

Já presente no mercado de matérias primas para alimentação animal, a Cargill anunciou nesta quinta-feira o lançamento de sua primeira marca de ração pronta personalizada para ruminantes. Com nove formulações diferentes, o produto busca atender as necessidades de diferentes escalas de produção da pecuária de corte e de leite e a cada elo dessas cadeias (cria, recria e engorda). “O grande apelo desse negócio é a praticidade e a conveniência. Nós trouxemos pro negócio de nutrição de bovinos a conveniência”, explica Angelo Pedrosa, gerente comercial da companhia.

+Silagem de milho: bem-feita, cabe em qualquer propriedade leiteira
+Fábrica de ração: 10 pequenas dicas para grandes resultados
+Fazer o sal mineral na fazenda. Compensa?

Continue a leitura após o anúncio

Com formulações que levam, além de matéria seca, também ingredientes líquidos como melaço de cana, o produto ganhou o nome wet feed (ração úmida) e é vendido em embalagens plásticas de dispensam a necessidade de silos de armazenagem ou estoques. “A mudança principal é essa: a gente vai migrando para ser muito mais um vendedor de soluções completas do que de ingredientes”, explica Laerte Moraes, diretor da companhia.

Investimento

O lançamento envolveu o investimento de R$ 150 milhões na unidade de Uberlândia da empresa, gerando uma capacidade de produção de 60 a 72 mil toneladas anuais, com potencial de dobrar esse volume nos próximos três anos. As vendas começaram em março e devem ganhar fôlego já nos próximos meses, durante o período de seca – quando a suplementação alimentar se faz mais necessária no campo.

“Essa migração de matéria prima para produto acabado, inclusive, é para tentar atender um pouco do excesso de demanda que temos aqui [em Uberlândia]”, ressalta Pedrosa. De acordo com ele, as filas para a aquisição de matéria seca neste período do ano chegam a dois dias na região do triângulo mineiro. “Agora a gente pretende atender um pouco dessa demanda com essa linha, basicamente nesse mercado regional, que é muito rico tanto em pecuária de corte quanto em pecuária de leite”, conclui.

Além dos produtos “de prateleira”, com formulações padrão que atendem às necessidades média do pecuarista, a Cargill também espera contar com encomendas personalizadas de grandes produtores mais tecnificados.

Embalagem

A apresentação da ração úmida da Cargill é outra inovação da empresa, que aplicou uma tecnologia usada originalmente para embalar lixo na Europa para selar o produto de tal forma que ele não entre em contato com o ambiente externo. Foi essa tecnologia que permitiu a empresa dispensar a necessidade de capacidade de armazenagem por parte do produtor. “A nossa ideia inicial era fazer a granel, mas o Angelo começou a trazer isso e virou só bola no final das contas”, conta Moraes, ao se referir ao formato esférico das embalagens.

O isolamento hermético proporcionado pelo plástico contribui ainda para o processo de fermentação do produto, de tal modo que a ração aumente suas propriedades de palatabilidade com o passar do tempo. “O produto entra úmido e como a condição ali é anaeróbica, ele entra em processo de fermentação. É como um vinho, ele melhora. O produto com seis meses de armazenagem é melhor que o de trinta dias porque as enzimas e os ácidos orgânicos já melhoraram a digestibilidade do grão. Então é um produto que até o tempo de armazenagem corre a favor”.

Nova planta em Bebedouro

Após o lançamento da fábrica de ração de Uberlândia, a Cargill pretende agora abrir uma nova unidade em Bebedouro, no interior de São Paulo. Ainda em aprovação, o projeto envolve uma planta de produção de pectina com investimento aproximado de R$ 550 milhões. “Estamos avançados já no processo de aprovação, mas falta a aprovação final por parte da companhia”, revelou Moraes, ao apontar uma “expectativa muito grande” de que esse aval ocorra nos próximos meses. O início das obras está previsto para o primeiro semestre de 2019 e  começo das operações em dois anos.

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.

Conteúdo original Revista DBO