Menu
Menu

Cargill anuncia investimento de US$ 30 milhões para evitar desmatamento no Brasil

Expectativa é reunir vários participantes em um esforço conjunto para identificar a melhor forma de alocar recursos para combater o desmatamento

A Cargill anunciou na quinta-feira, 13 de junho, investimento de US$ 30 milhões para encontrar soluções para proteger florestas e vegetação nativa na cadeia produtiva de soja no Brasil. “Estamos pedindo urgentemente que a indústria se junte a nós e invista conosco para acelerar o progresso e para encontrar soluções que ajudem a proteger a terra do Brasil ao mesmo tempo em que proporcionem oportunidades econômicas aos agricultores e às comunidades”, disse a diretora de Sustentabilidade da Cargill, Ruth Kimmelshue, em teleconferência.

Conforme a executiva, a empresa está preparada para realizar o desembolso “o mais rápido possível e assim que virmos ideias que possam conduzir a mudanças substanciais”. Ruth reforçou que a empresa fez o apelo aos concorrentes, clientes e outros players na indústria de alimentos para que complementem esse investimento. “Nossa esperança é que os US$ 30 milhões se tornem significativamente maiores por meio do envolvimento e investimento de outros”, disse.

Segundo ela, a expectativa é reunir vários participantes em um esforço conjunto para identificar a melhor forma de alocar recursos para combater o desmatamento. “Estamos no processo de identificação de um facilitador para reunir organizações.” No Brasil, o foco é o Cerrado e o Matopiba (acrônimo formado com as iniciais dos Estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia).

Segundo ela, uma das razões para isso é a extensão de área no Cerrado que vem sendo utilizada para agricultura. “É onde a maior parte das terras novas está vindo para produção, está sendo convertida. O Matopiba é crítico porque é uma das áreas de maior prioridade e mais sensíveis relacionadas ao Cerrado.”

Ao mesmo tempo, a empresa vai continuar com o trabalho de combater o desmatamento na Amazônia. A executiva destacou o êxito da Moratória da Soja na região ao longo dos últimos anos. A empresa também informou ter feito progressos em outras cadeias de suprimento além da soja, como óleo de palma e cacau.

Segundo Ruth, apesar dos esforços coletivos das tradings, “nossa indústria ficará aquém da meta de eliminar o desmatamento até 2020”. O compromisso do setor agora é eliminar o desmatamento na cadeia produtiva da soja até 2030, conforme a executiva. “O progresso que fizemos é significativo. Mas temos mais trabalho significativo para fazer.”

De acordo com a executiva, pedir que as empresas saiam das áreas de maior risco de desmatamento não resolverá o problema, só fará com que ele mude de lugar. “Ao empurrar agricultores para outros compradores, as mesmas práticas continuarão”, disse.

“Precisamos urgentemente de ideias ousadas que ofereçam aos agricultores uma maneira de prosperar enquanto protegemos o planeta. Essas são as duas forças concorrentes e complementares que queremos abordar.” Junto com o financiamento, a empresa informou que está implementando um plano de ação para aumentar a transparência e avançar na adoção da política contra o desmatamento na cadeia de soja.

Entre as medidas, está uma avaliação de risco abrangente de fornecedores diretos e indiretos. Segundo a empresa, o foco é trabalhar para a transformação de longo prazo “para que florestas e agricultores possam coexistir”.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on skype
Skype
Share on email
Email
Share on telegram
Telegram
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on email
Email
Share on tumblr
Tumblr
Share on print
Print

Veja também:

Produtores já estão testando novo modelo de produção de novilhas

A Agropecuária JBJ, de GO, e a Fazenda Rancho Fundo, do MS, suplementam as fêmeas desde bezerras para desafiá-las na IATF aos 13-14 meses.

Você precisa adquirir uma de nossas assinaturas.

“Precocinhas” Nelore no confinamento

Os sistemas de produção de novilhas precoces também abrem caminho para a engorda dessas fêmeas para venda bonificada a programas de carne de qualidade.

Você precisa adquirir uma de nossas assinaturas.

Novilhas Nelore sob holofotes

Elas são as novas estrelas da pecuária, graças aos avanços em precocidade com prenhez aos 13-14 meses, e valorização nos projetos de carne gourmet. Agora, elas também são objeto de pesquisa da Apta-Colina para o desenvolvimento de sistema específico de produção, a exemplo do programa do Boi 7-7-7.

Você precisa adquirir uma de nossas assinaturas.

Café com frio

Especialista dá dicas de como evitar problemas com o frio no cafezal, cultura que gosta de “cabeça quente e pés frios”

SOBRE A MÍDIA DBO

A DBO Editores Associados, fundada em junho de 1982, sempre se caracterizou como empresa jornalística totalmente focada na agropecuária. Seu primeiro e principal título é a Revista DBO, publicação líder no segmento da pecuária de corte. O Portal DBO é uma plataforma digital com as principais notícias e conteúdo técnico dos segmentos de corte, leite, agricultura, além da cobertura dos leilões de todo o Brasil.

ANUNCIE DBO

Acompanhe aqui o vídeo da edição mais recente da Revista DBO. Para ver os destaques das outras edições, basta clicar aqui.

ASSINE A REVISTA DBO

Revista DBO Ligue grátis: 0800 110618 (Segunda a sexta, das 08h00 às 18h00)

2018 DBO - Todos os direitos reservados

×
×

Carrinho