Carne vegetal: Vem aí uma nova e grande bolha?

Em artigo, editora do Meatingplace vê como "exuberância irracional" empresas de alimentos vegetarianos

Na segunda metade dos anos 90, durante o período de formação da “bolha da internet”, o então presidente do Federal Reserve (Fed, o Banco Central dos EUA), Alan Greenspan, cunhou o termo “exuberância irracional” para se referir à forte apreciação dos ativos financeiros. Na virada dos anos 2000, a bolha estourou, validando as previsões pessimistas do economista norte-americano.

Em artigo publicado nesta quarta-feira pelo portal Meatingplace, a editora da versão impressa do veículo informativo, Lisa M. Keefe, sugere que pode estar surgindo uma bolha no mercado mundial de alimentos, a partir do atual movimento de ascensão das empresas ligadas à produção de hambúrgueres (entre outros produtos “naturebas”) à base de vegetais, que buscam imitar o sabor e a textura da carne moída convencional.

Continue a leitura após o anúncio

A editora chama atenção para a dinheirama derramada recentemente no setor de carnes alternativas. Foram “US$ 300 milhões para a Impossible Foods; outros US$ 241 milhões para a Beyond Burger (por meio de sua IPO, oferta pública inicial de ações); e US$ 12 milhões (parte destinada pela Cargill) para a empresa israelense Aleph Farms, uma companhia de tecnologia ainda sem produtos disponíveis no mercado.

“Pense no que esse tipo de investimento pode significar para o processador de carne comum”, reflete a colunista, que acrescenta: “É o suficiente para fazer você se perguntar se algum dia seus netos perguntarão, espantados: ‘Você realmente costumava comer carne de um animal?'”.

No entanto, segundo escreve Lisa, basta um minuto de reflexão sobre o assunto para se chegar à conclusão de que o atual movimento em torno das empresas de produtos de carnes “falsa”, à base de plantas, passa a sensação de um “déjà vu desconfortável”, parecendo uma “exuberância irracional”, continua a editora, “roubando” a frase Alan Greenspan.

Lisa diz que o crescimento de dois dígitos visto nesse mercado (de carne alternativa à base de vegetais)”, bem como as elevações desenfreadas das ações dessas empresas e as declarações sem fôlego sobre como salvar o planeta, “chegarão ao fim”.

Quando isso ocorrer, continua ela, o setor de carnes alternativas encontrará o seu nicho permanente no mercado de alimentação.

“Algumas empresas de carnes (“verdadeiras”, de origem animal) são investidores e, se apostarem nos cavalos certos, terão diversificado seu portfólio de proteínas e expandido a sua base de clientes”, diz a editora, acrescentando que alguns processadores já aumentaram os seus negócios ao investir justamente em produtos alternativos à base de plantas.

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.

Conteúdo original Revista DBO