Cautela do pecuarista segura o preço da arroba

Indústria também faz o mesmo movimento, mas não tem força para mudar o rumo do boi neste instante

Nesta quinta-feira, 9 de julho, o mercado brasileiro do boi gordo registrou baixa liquidez, refletindo o momento de cautela de ambos os lados, tanto por parte dos pecuaristas quanto das indústrias. Nesse contexto, os preços da arroba seguem estáveis na maior parte das regiões pecuárias do País.

No momento, os frigoríficos evitam elevar os seus estoques de carne bovina nas câmaras frias, alegando dificuldade no escoamento dos cortes bovinos ao atacado/varejo, segundo relata a IHS Markit.

Continue a leitura após o anúncio

“O relaxamento das medidas de isolamento social em alguns polos consumidores não é suficiente para que o consumo de carne bovina volte aos patamares anteriores à pandemia de Covid-19”, observa a consultoria.

Do lado pecuarista, os altos preços pagos no gado de reposição, associado aos maiores gastos com alimentação animal neste ano, têm feito muito produtor especular valores maiores pelos animais terminados, informa a IHS Markit.

Os preços da arroba, porém, seguem sustentados em patamares altos – na praça paulista atingiu nesta semana o valor de R$ 225 (a prazo) –, pressionados pela baixíssima oferta de boiadas prontas, devido ao período de entressafra de “animais de capim”, além do ritmo forte dos embarques de carne bovina.

“O apetite comprador do mercado internacional, principalmente chinês, tem, de certa forma, permitido que as plantas habilitadas para exportação tenham melhor manejo dos seus custos, conseguindo operar com preços maiores pagos na boiada gorda mesmo diante da fraca demanda nacional”, destaca a IHS Markit.

Confira as cotações máximas do boi gordo nesta quinta-feira, 9 de julho, de acordo com a FNP:

SP-Noroeste: R$ 225/@ a (prazo)

MS-Dourados: R$ 206/@ (à vista)

MS-C. Grande: R$ 208/@ (prazo)

MS-Três Lagoas: R$ 208/@ (prazo)

MT-Cáceres: R$ 190/@ (prazo)

MT-Tangará: R$ 192/@ (prazo)

MT-B. Garças: R$ 193/@ (prazo)

MT-Cuiabá: R$ 190/@ (à vista)

MT-Colíder: R$ 185/@ (à vista)

GO-Goiânia: R$ 210/@ (prazo)

GO-Sul: R$ 207/@ (prazo)

PR-Maringá: R$ 217/@ (à vista)

MG-Triângulo: R$ 217/@ (prazo)

MG-B.H.: R$ 214/@ (prazo)

BA-F. Santana: R$ 215/@ (à vista)

RS-P.Alegre: R$ 205/@ (à vista)

RS-Fronteira: R$ 204/@ (à vista)

PA-Marabá: R$ 204/@ (prazo)

PA-Redenção: R$ 204/@ (prazo)

PA-Paragominas: R$ 204/@ (prazo)

TO-Araguaína: R$ 208/@ (prazo)

TO-Gurupi: R$ 207/@ (à vista)

RO-Cacoal: R$ 189/@ (à vista)

RJ-Campos: R$ 203/@ (prazo)

MA-Açailândia: R$ 200/@ (à vista)

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.

Conteúdo original Revista DBO