Central Bela Vista inaugura Centro Tecnológico

Parceria com a Confraria da Carcaça Nelore já colocou o CT em funcionamento

A Central Bela Vista, parte do Grupo CRV, inaugurou um novo Centro Tecnológico (CT). Construído dentro do complexo da empresa em Botucatu (SP), o CT da Bela Vista integra a experiência da empresa na identificação genética e tratamento de touros à “Prova de Desempenho” (para saber qual animal ganha mais peso comendo menos alimento).

Com a ajuda da eletrônica, o CT oferece um controle muito apurado dos testes realizados ali. “A partir do momento que o animal chega, ele recebe um brinco eletrônico e, quando vai comer no cocho, que também tem controle eletrônico, o chip do brinco é lido e mede-se a quantidade de comida ingerida. E toda vez que o animal bebe água, o chip é novamente lido e, no bebedouro, há uma balança que pesa o touro”, descreve Pedro Araújo, gerente comercial da Bela Vista.

“Após a pesagem, é feito o ultrassom, com o qual é medida a área de olho de lombo (AOL), espessura de gordura subcutânea e marmoreio”, descreve ele. Além da ultrassonografia de carcaça, é feita ainda a ultrassonografia testicular, que avalia o potencial reprodutivo dos animais.

O processo dura 77 dias e, como resultado, pode-se identificar animais com alta eficiência na conversão de alimento em peso e na qualidade da carcaça.

“A procura é imensa”, diz Pedro, que aponta exigências tanto do mercado doméstico quanto do de exportação. “Os produtores querem eficiência e carne de qualidade”, diz ele, ao indicar que a Bela Vista já tem um programa em andamento no CT junto com a Confraria da Carcaça Nelore.

O programa começou dia 6 de abril, com a escolha, pesagem e identificação de 140 animais. Eles foram pesados e passaram por avaliação biométrica (um dos itens avaliados é a altura de garupa) e receberam seus brincos.

Com seus dados computados, os animais serão destinados ao 2º Leilão Reprodutores Confraria da Carcaça Nelore. “Os dados do CT da Bela Vista passarão a integrar o registro definitivo da ABCZ (Associação Brasileira dos Criadores de Zebu), o que será mais um diferencial para a Bela Vista, como provedora de serviços de qualidade, e para os proprietários dos animais, que poderão se beneficiar com animais mais bem avaliados”, afirma Pedro Araújo.

Araújo explica que a ideia, no futuro, seria fazer a mesma prova com as fêmeas. Nesse caso, as etapas seriam as mesmas às quais são submetidos os machos com apenas duas diferenças, ultrassonografia do aparelho reprodutor dos animais e aspiração folicular, para a produção de embriões.

Fonte: Ascom Grupo CRV

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Revista DBO | Ele quer todo gado na sombra

VEJA os destaques da edição de maio e o Especial Instalações e Equipamentos; na capa, a Agropastoril Campanelli investe em cobertura metálica dos currais e comprova ganho de mais de meia arroba por animal engordado na sombra

Revista DBO | Ele quer todo gado na sombra

VEJA os destaques da edição de maio e o Especial Instalações e Equipamentos; na capa, a Agropastoril Campanelli investe em cobertura metálica dos currais e comprova ganho de mais de meia arroba por animal engordado na sombra

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.