Centro-Sul processa 487 mil toneladas de cana na 1ª quinzena do mês, informa Unica

Região, principal produtora de açúcar e etanol do Brasil, está em período de entressafra
Foto: John Deere/Divulgação

Usinas e destilarias no Centro-Sul do Brasil processaram 487 mil toneladas de cana-de-açúcar na primeira quinzena de fevereiro, alta de 185,70% em comparação a igual período de 2020, quando foram moídas 170 mil toneladas. Os dados fazem parte do levantamento da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica), divulgado nesta quarta-feira (24/2). A região está em período de entressafra.

Segundo a Unica, até o fim da quinzena operavam três unidades produtoras que processam apenas cana-de-açúcar, cinco que produzem apenas etanol à base de milho, e outras duas que utilizam as duas matérias-primas. O mix sucroenergético na quinzena ficou em 63,49% para o etanol e 36,51% para o açúcar.

A fabricação do adoçante foi de 21 mil toneladas nos primeiros 15 dias do mês, 751,28% a mais do que no mesmo período de 2020. Esse avanço tão grande tem a ver com o mix menos alcooleiro no período e com a maior moagem de cana.

A produção de etanol alcançou 134 milhões de litros na primeira quinzena de fevereiro, 28,84% a mais do que os 104 milhões de litros de igual período do ciclo 2019/20. Desse volume, porém, 110,88 milhões de litros foram de etanol de milho. Do total de biocombustível produzido, o hidratado, utilizado diretamente no abastecimento dos veículos, representou 90 milhões de litros, enquanto o etanol anidro, adicionado à gasolina, somou 44 milhões de litros.

O volume do anidro representa um avanço expressivo na comparação anual (um ano antes, o volume era negativo por causa do reprocessamento de anidro para hidratado); já o hidratado apresenta recuo de 14,26%.

A qualidade da matéria-prima processada na primeira quinzena de fevereiro, medida a partir da concentração de Açúcares Totais Recuperáveis (ATR), atingiu 126,06 kg por tonelada ante 91,58 kg/t verificados em igual quinzena da safra passada, alta de 37,64%.

Acumulado

A moagem de cana no acumulado da safra 2020/2021 atingiu 598,121 milhões de toneladas, aumento de 3,22% sobre os 579,471 milhões de toneladas de igual período do ciclo 2019/2020. No acumulado do ciclo 2020/2021, a safra alcançou 145,15 quilos de ATR por tonelada de cana-de-açúcar, 4,29% superior ao valor apurado no último ciclo agrícola.

Desde o início da safra 2020/2021 até 16 de fevereiro, 46,20% da matéria-prima foi destinada à fabricação de açúcar, ante 34,48% em igual período de 2019/20. Assim, a produção acumulada de açúcar soma 38,217 milhões de toneladas, montante 44,25% superior aos 26,494 milhões de toneladas produzidos um ano antes.

Já o volume de etanol produzido no acumulado da safra 2020/2021 totalizou 29,680 bilhões de litros, 8,54% inferior ao assinalado na última safra, com o etanol anidro recuando 1,81% e o hidratado, 11,48%.

O mix desta temporada tem sido mais açucareiro porque as usinas aproveitam os bons preços do adoçante em reais – decorrentes da quebra de safra de outros produtores importantes, da desvalorização do real ante o dólar e da indefinição a partir do subsídio para exportações da Índia – e porque a pandemia da Covid-19 reduziu a demanda por combustíveis no País durante alguns meses do ano passado.

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

As apostas são altas para o futuro da produção de carne no Brasil. Veja o que dizem as lideranças ouvidas para o Especial Perspectivas 2021 do Anuário DBO. Assista:

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.