China e Hong Kong compram 64% da carne bovina brasileira, é perigoso hostilizar esses compradores, alerta Scot

Alcides Torres, sócio-fundador da Scot, esteve à frente do Encontro de Analistas Scot Consultoria, evento anual para discussões de cenários

O sócio-fundador da Scot Consultoria, Alcides Torres, lembrou que a China e Hong Kong, juntos, compram 64% da carne bovina brasileira exportada. Diante da importância desse mercado para o Brasil, Torres considerou ser “perigoso” hostilizar os maiores compradores de produtos do País. O consultor participou de painel no Encontro de Analistas Scot Consultoria na sexta-feira (27/11).

O consultor lembrou, ainda, que na atual pandemia de novo coronavírus, todos os clientes do Brasil reduziram suas compras, com exceção da China/Hong Kong, além de outros países da Ásia, como Tailândia. “Se ficarmos hostilizando a China, ela parte para comprar carne de nossos concorrentes, vai comprar dos australianos, dos argentinos, dos uruguaios…”, disse, e acrescentou: “Tem gente que não faz conta ou desconhece o mercado profundamente”, disse.

A fala de Torres veio num contexto de uma polêmica entre a China e o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) nesta semana. Na terça-feira (24/11), o embaixador da China no Brasil, Yang Wanming, criticou postagens em rede social de Eduardo Bolsonaro, que também é presidente da Comissão de Relações Exteriores da Câmara. O deputado havia citado, no dia anterior (23/11), que o governo brasileiro declarou apoio a uma “aliança global para um 5G seguro, sem espionagem da China”. A postagem foi apagada depois. Wanming rebateu dizendo que as acusações do parlamentar são “infundadas” e “solapam” a relação entre os dois países.

O ex-CEO do frigorífico Frigol, Luciano Pascon, lembrou que há 29 frigoríficos de bovinos “parados, numa lista, aguardando a aprovação do governo chinês”. “E a gente sabe que se a amizade e cooperação fosse maior isso já poderia ter sido habilitado; seria uma oportunidade para todos”.

Para o presidente consultivo da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), Francisco Turra, “é absurdo” o País desdenhar a China. “Hostilizar a China é perigoso“, disse. “Conversamos diariamente com adido em Pequim, que nos passa informações sobre a reação da China quando ocorrem atritos aqui e há sensibilidade para isso.”

No mesmo painel, o consultor da Scot Hyberville Netto acrescentou que a Europa, por exemplo, adquire apenas 8% da carne exportada pelo Brasil. “É um mercado que, mesmo menor, tem de estar aberto, não podemos brigar com clientes.”

Leia também

“A China vai precisar de mais carne este ano e ano que vem também, especialmente de carne bovina”, diz Marcos Jank
Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Sou pecuarista e esse frigorífico é meu

Leia a Revista DBO que encerra o ano de 2020. Ela conta a mais nova façanha da Cooperaliança, a primeira cooperativa a verticalizar a cadeia da carne bovina, além de trazer outras 25 reportagens e artigos.

Sou pecuarista e esse frigorífico é meu

Leia a Revista DBO que encerra o ano de 2020. Ela conta a mais nova façanha da Cooperaliança, a primeira cooperativa a verticalizar a cadeia da carne bovina, além de trazer outras 25 reportagens e artigos.

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.