Menu
Menu

China muda mercado mundial de hambúrguer bovino

Austrália, Nova Zelândia e Brasil são atraídos pela forte demanda chinesa, criando um vácuo nos EUA

Todos os caminhos de exportação de carne bovina levam à China”, assim concluiu o analista independente Simon Quilty em artigo publicado nesta segunda-feira no portal australiano Beef Central.

O especialista discorre sobre a atual influência do mercado chinês no comportamento do comércio mundial de carne bovina magra, utilizada sobretudo para produzir hambúrgueres.

+Uruguai lança campanha virtual e promove sua carne na China
+FAO: Peste suína reduzirá em 20% os estoques na China
+Frigoríficos do Uruguai estão cada vez mais dependentes da China

O Brasil é hoje o principal fornecedor global de carne bovina, que tem como diferencial justamente o fato de ser “magra” – oriunda de raças zebuínas (Bos Indicus).

Segundo Quilty, tradicionalmente, o mercado de hambúrgueres dos EUA – o maiores importadores mundiais de carne bovina – sempre dependeu muito da disponibilidade de produtos da Austrália e da Nova Zelândia.

No entanto, nos últimos anos, com o aumento da demanda na China, as exportações de carne bovina da Austrália e da Nova Zelândia estão sendo desviadas para a China, em quantidades cada vez mais crescentes.

Com isso, o que se vê atualmente é uma escassez de carne magra importada nos EUA, o que contribuiu para uma elevação dos preços pagos às carnes da Austrália e da Nova Zelândia no mercado norte-americano.

Porém, destaca o analista, os altos prêmios da carne bovina magra importada nos EUA pode pavimentar o caminho para a entrada de carne mais barata da América do Sul no mercado norte-americano e, assim, preencher o vazio de oferta criado pela maior ausência de carne oriunda da Austrália e da Nova Zelândia.

O analista cita o Brasil como potencial fornecedor aos EUA, país que “tenta desesperadamente recuperar seu status de exportação para o mercado americano”, escreve Quilty, referindo-se ao embargo de quase dois anos à carne bovina in natura, devido a problemas de abscessos (pus).

No entanto, o problema, continua o analista, é que a China está desesperadamente tentando comprar carne da América do Sul e o Brasil já é o maior exportador de carne bovina para o mercado chinês.

Em janeiro deste ano, o país representou 22% do mercado de importação de carne bovina da China; o Uruguai, com 22%; a Argentina, com 21%; a Austrália com 17%; e a Nova Zelândia, com 14%.

Portanto, observa o analista a australiano, não há garantia de que a carne da América do Sul preencherá o vazio no mercado de carne bovina dos EUA, já que a demanda da China é onipresente em todo o mundo, e “todos os caminhos de exportação de carne bovina levam à China”.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on skype
Skype
Share on email
Email
Share on telegram
Telegram
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on email
Email
Share on tumblr
Tumblr
Share on print
Print

Veja também:

[banner-link-364-x-134-home-geral1]

[banner-link-364-x-134-home-geral2]

SOBRE A MÍDIA DBO

A DBO Editores Associados, fundada em junho de 1982, sempre se caracterizou como empresa jornalística totalmente focada na agropecuária. Seu primeiro e principal título é a Revista DBO, publicação líder no segmento da pecuária de corte. O Portal DBO é uma plataforma digital com as principais notícias e conteúdo técnico dos segmentos de corte, leite, agricultura, além da cobertura dos leilões de todo o Brasil.

ANUNCIE DBO

Acompanhe aqui o vídeo da edição mais recente da Revista DBO. Para ver os destaques das outras edições, basta clicar aqui.

ASSINE A REVISTA DBO

Revista DBO Ligue grátis: 0800 110618 (Segunda a sexta, das 08h00 às 18h00)

2018 DBO - Todos os direitos reservados

×
×

Carrinho