China suspende compra de carne bovina da Irlanda após caso atípico de “vaca louca”

País é um dos maiores exportadores do grupo que forma a União Europeia

O Departamento de Agricultura da Irlanda confirmou, na quarta-feira, 27 de maio, que a exportação de carne bovina para a China foi suspensa temporariamente como resultado de um caso atípico encefalopatia espongiforme bovina atípica (EEB) – conhecido popularmente como “vaca louca” –, depois que uma vaca irlandesa de 14 anos deu positivo para a doença.

A Irlanda é um dos maiores exportadores de carne bovina do grupo de países da UE.

Segundo as agências internacionais, o Departamento de Agricultura irlandês confirmou que, de acordo com um protocolo acordado com as autoridades chinesas, a exportação de carne bovina foi “suspensa voluntariamente”. A detecção de um caso de “vaca louca” atípico não afetará o status atual de “risco controlado” do país, de acordo com as autoridades.

As exportações para a China já haviam sido impactadas pelo Covid-19, relataram as agências de notícias. O presidente da Associação de Agricultores Irlandeses, Tim Cullinan, disse que a suspensão chinesa foi “decepcionante”, ma deve ser resolvida rapidamente. Segundo o protocolo, a Irlanda deve enviar um relatório epidemiológico detalhado, afirmou Cullinan, ao noticiário internacional. “Dada a natureza deste caso, não haverá demora na recuperação do acesso”, acrescentou.

No ano passado, o mercado chinês consumiu 10.000 toneladas de carne irlandesa e 2.900 toneladas foram enviadas para o país asiático no primeiro trimestre de 2020. “Essa é uma quantidade relativamente pequena e representa menos de 2% de nossas exportações de carne bovina. No entanto, é um mercado importante e crescente”, destacou Cullinan, acrescentando: “Precisamos voltar lá com urgência”.

A encefalopatia espongiforme bovina atípica foi detectada em uma vaca Limousin de 14 anos na Irlanda, confirmou a Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), segundo informações do portal australiano Beef Central. O Departamento de Agricultura, Alimentos e Assuntos Marinhos da Irlanda (DAFM) recebeu um resultado positivo em um teste rápido de triagem realizado por um laboratório privado credenciado em 12 de maio. A vaca fazia parte de um rebanho em aleitamento de 73 bovinos e permaneceu nesse rebanho até sua morte em 9 de maio.

Segundo a Beef Central, após o primeiro diagnóstico de EEB na Irlanda em 1989, foram introduzidas várias medidas de gestão de riscos, incluindo uma legislação que obrigava os cirurgiões veterinários, os agricultores e todas as outras pessoas encarregadas dos bovinos a notificar o Departamento de Agricultura, Alimentação e Marinha ( DAFM) de qualquer animal que apresente sinais clínicos consistentes com a BSE. Em 1990, foi proibida a alimentação de farinhas de carne e ossos (MBM) a animais ruminantes. Desde meados da década de 90, uma série de medidas cumulativas de gerenciamento de risco está em vigor.Em maio de 2008, a OIE reconheceu oficialmente a Irlanda como um país com risco controlado de EEB, uma classificação reafirmada em junho de 2015. A classificação reconhece que os controles regulatórios da Irlanda são eficazes e que a carne irlandesa pode ser comercializada com segurança internacional.

A Irlanda relatou pela última vez um caso atípico de BSE em janeiro de 2017, envolvendo uma vaca de 18 anos.

Existem dois tipos de EEB atualmente reconhecidos:  clássico e típico, informa a Beef Central. A EEB clássica está associada à alimentação (agora proibida) de farinha de carne e ossos, e as evidências mostram que a EEB é adquirida no primeiro ano de vida, enquanto se pensa que a EEB atípica ocorre espontaneamente em animais mais velhos, com uma taxa de incidência muito menor.

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Boi-safrinha de cara nova

CONFIRA os destaques da edição de outubro da Revista DBO; na capa, as novidades deste versátil sistema de produção

Boi-safrinha de cara nova

CONFIRA os destaques da edição de outubro da Revista DBO; na capa, as novidades deste versátil sistema de produção

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.